Todos o conheciam como Gugu Liberato, mas seu nome de batismo era Antônio Augusto Moraes Liberato, também chamado por muitos de Augusto Liberato. Antes de ser o famoso apresentador de TV que todos conhecem, Gugu teve que batalhar e começou sua carreira logo cedo, aos quatorze anos de idade como assistente de produção do programa Domingo no Parque, antigamente apresentado por Silvio Santos, no SBT. 

Gugu Liberato, além de apresentador, trabalhou também como cantor, ator (trabalhou em sete filmes) e empresário. Seu primeiro programa na emissora de Silvio Santos, o SBT, foi o Sessão Premiada Paulista, já em 1982, apresentou o programa Viva a Noite, que em um primeiro momento era dividido em várias partes, e também apresentado por nomes como Jair de Ogum, Ademar Dutra e Mariette Detotto. O programa sofreu mudanças de formato, e Gugu passou a comandar sozinho o programa, que depois passou a ser dirigido por Homero Salles. Ao mesmo tempo em que trabalhava no Viva a Noite, Gugu começou a dirigir o Domingo no Parque.

Foi no programa Viva a Noite que Gugu passou a exaustão o grupo musical Menudo, em 1984, fato que fez com que o grupo brasileiro passasse a admirar o grupo musical e também o gênero tocado pela banda. Assim outros grupos musicais no mesmo formato foram lançados pelo programa, como Polegar e Dominó, se tornando assim Gugu um grande empresário de sucesso, lançando até sua produtora, a GGP, especializada também em filmes e séries.

Em 1988, Gugu reestreou no SBT, após rápida passagem pela Rede Globo. O apresentador ficou com grande parte da programação dominical no retorno como parte da negociação e desse período em diante foi que começou a apresentar os principais programas de auditório de sua carreira, e possivelmente os programas mais nostálgicos e importantes da televisão brasileira.

Dessa época nasceram programas como Passa ou Repassa, que apresentava sozinho, Domingo Legal, que concorria com o Domingão do Faustão, da Rede Globo, programa que havia sido criado para ser comandado por Gugu quando esse havia sido contratado pela emissora carioca, e o clássico Sabadão Sertanejo, que passava todos os sábados a noite.  Na década de 1990 Gugu Liberato teve uma audiência bastante favorável aos seus programas de auditório e isso devido muito ao seu carisma no jeito de apresentar, no formato simples de seus programas e nas atrações que levava aos programas.

Em tempos pré-internet, pode-se dizer, que Gugu Liberato era uma máquina de virais. Em quase todos os programas do Domingo Legal lançava uma atração diferente que se tornava o assunto mais comentado do próximo dia nas escolas ou no trabalho. Foram em seus programas que surgiram grupos musicais de sucesso populares que tomaram o Brasil, casos de É o Tchan, KLB e Mamonas Assassinas. Isso para não falar dos quadros que hoje em dia soariam como polêmicos, caso existissem, como Banheira do Gugu, em que mulheres e homens quase nus precisavam se agarrar em uma banheira para pegar sabonetes. Era um show de bizarrice, mas todos amavam assistir.

É inegável a importância de Augusto Liberato para a televisão brasileira, não apenas para os artistas que o apresentador ajudou na carreira levando aos seus programas de TV, mas também a televisão como estrutura em si, pois muito do que Gugu criou em seus programas de auditório acabaram servindo de referência e modelo para outros programas de outras emissoras por todo o país, e também para o próprio SBT. As atrações e os quadros criados em seus programas foram também muitas vezes imitados e se expandiram levando alegria pra muitas pessoas e deixando um grande legado para o entretenimento nacional. O jeito que lidava com o público também era algo a ser invejado pelos adversários e que demandava alegria e sentimento de responsabilidade pelo conteúdo transmitido aos telespectadores. O Brasil perdeu não apenas um grande apresentador da televisão brasileiras, mas também uma grande pessoa. Seu legado jamais será esquecido.