Crítica | The Cloverfield Paradox – Como Não Continuar uma Franquia