em

Crítica | Drácula

Drácula, romance lançado em maio de 1897, escrito pelo Irlandês Bram Stoker, o livro tornou-se um clássico da literatura gótica e é considerada até hoje por muitas pessoas como a melhor história sobre vampiros já escrita. Adaptado para o cinema e teatro inúmeras vezes, Drácula é contada através de cartas, páginas de diários e de Jornais e mostra como uma figura tão misteriosa pode se tornar um tormento para inúmeras pessoas.

A trama começa com a ida do jovem Jonathan Harker ao castelo do Conde Drácula na Transilvânia, somos apresentados neste primeiro momento a como Bram Stoker resolveu contar a história do livro, através de relatos pessoais escritos pelos personagens. Uma maneira muito interessante de se contar uma história, e também a torna muito atrativa e além disso mais fácil de se entender a linguagem datada da época em que foi escrita. 

Nos primeiros capítulos o leitor consegue sentir o medo e angustia que Jonathan Harker sente ao estar dentro do castelo e perto do Conde Drácula através da forma como ele descreve o castelo e o comportamento do vampiro em relação a ele. Conseguimos então sentir que a algo errado lá, Drácula é descrito como sendo sedutor e excêntrico, sendo interessante notar como Bram Stoker consegue apresentar os elementos da mitologia vampiresca do personagem nas cartas de Jonathan e ao mesmo tempo desenrolar a trama através delas, essa primeira parte do livro é realmente excelente, chegando a amedrontar em várias partes.

Nos capítulos seguintes somos apresentados aos demais personagens da obra, onde cada um deles acaba sendo afetado tanto diretamente quanto indiretamente pelo Conde Drácula, vemos a Noiva de Jonathan Harker, Mina, preocupada por não ter mais notícias dele, a irmã de Mina, Lucy que começa a sofrer de sonambulismo, e um estranho paciente do pretendente de Lucy, John Seward, que está apresentando sintomas e alucinações muito incomuns. Os personagens são muito interessantes e como cada um tem seu ponto de vista exposto no livro, é fácil entender a motivação de cada um e o medo que os atinge. É magnifica a forma como Bram Stoker consegue mostrar a influência do Conde na história mesmo sem sua participação em cena, e de como o Vampiro acaba tornando um inferno a vida de muitas pessoas sem estar por perto.

A presença do vampiro sobre a vida dos personagens vai ficando mais evidente ao passar que a história se desenrola, e o medo e a sensação de perigo vão aumentando junto. Lucy acaba ficando muito doente e com duas marcas em seu pescoço, o Paciente de John Seward fala que está esperando um senhor, e a chegada de um barco russo a cidade com toda a tripulação morta são exemplos de como a tensão vai aumentando a cada capitulo e a história vai se tornando imprevisível a cada novo passo que dá, com isso dando ritmo a história e deixando o leitor curioso para o que vira a seguir. 

Nenhum personagem é deixado de fora da trama, todos tem seu propósito e momento na história, notamos também que o autor tem uma ótima concepção de espaço e cena, sabendo descrever os cenários datados da época perfeitamente.

Mesmo sendo o personagem título do livro, Drácula acaba por não ser o personagem principal do livro, porem a trama se desenrola de acordo com sua influência nos personagens e o conhecemos a partir da visão deles. Nos primeiros capítulos vemos que ele era o antagonista da história, estando presente em cena, mas depois da volta de Jonathan Hacker a sua cidade de origem, vemos que ele não aparece mais tanto assim na história, mas não considero isso um demérito visto que sua presença pode ser sentida na vida dos personagens.

A história ganha um dinamismo melhor com a chegada do Dr. Abraham Van Helsing, que consegue desvendar através dos relatos dos outros personagens o mistério por trás da doença de Lucy, o personagem é muito meticuloso e determinado e mostra que não é ingênuo e que não teme o combate com os vampiros, com certeza o melhor personagem da história.

Drácula é com toda certeza um dos melhores livros da literatura de Horror, as descrições feitas por Bram Stoker são excelentes, o ritmo do livro não é cansativo, a história é de fato assustadora e também é recheada de suspense e consegue prender o leitor com sua fantástica história, Stoker magistralmente consegue passar ao leitor todo o terror que o Conde Drácula consegue causar aos personagens e mesmo com a sua história datada, este livro continua encantando gerações de leitores deste gênero, obrigatório para todos que gostam de histórias do terror.

O que você achou desta publicação?

Avatar

Publicado por Ayrton Magalhães

"Todas essas lembranças se apagarão com o tempo, como lágrimas na chuva"

Citação de um dos meus filmes favoritos de todos os tempos, Blade Runner - O Caçador de Androides.

Comentários

Leave a Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Loading…

0

Comente!

Análise | Star Wars: The Force Unleashed – Ultimate Sith Edition

Crítica | Sete Minutos Depois da Meia-Noite