em ,

Dragon Ball Super sai do ar na Argentina após denúncia de “violência sexual”

Mais uma vez o anime Dragon Ball em sua iteração Super, é alvo de polêmicas. O Cartoon Network da Argentina decidiu suspender a exibição da obra após uma denúncia de “violência sexual” vinda do próprio governo argentino.

acusação, oficializada na última segunda-feira (30), foi causada por uma cena do episódio 91, em que os heróis se preparam para lutar o Torneio do Poder.

Em seu “treinamento”, o Mestre Kame pede para que Pual se transforme em uma garota bonita, já que sua grande fraqueza está nos “pensamentos pervertidos”. Em tom cômico, o gatinho se transforma em uma jovem dentro de uma pequena casa, do lado de fora é possível apenas ouvi-la recusar as investidas de Kame aos gritos enquanto o repele.

Como a audiência do Cartoon Network é de público infantil, o Ministério da Mulher, Políticas de Gênero e Diversidade Sexual de Buenos Aires acusou o episódio de “reproduzir o exercício de violência sexual de um idoso contra uma menor em contexto de aceitação social”.

O documento afirma também que a cena expõe as crianças a “violência simbólica”, por mostrar uma situação em que há “sinais claros de que não há consentimento” e justificando as ações do Mestre Kame, que “em seu lugar de poder diz que não pode parar”.

Em resposta o Cartoon Network Latin America e a WarnerMedia reconheceram o erro de exibir a cena e afirmaram que vão tomar “medidas”. A primeira delas foi suspender a exibição de Dragon Ball Super para reavaliar o conteúdo de todo o desenho para, no futuro, voltar a exibi-lo.

Por enquanto, a decisão da suspensão vale apenas para a Argentina. No Brasil, o anime segue em exibição. Dragon Ball Super já chegou ao fim.

O que você achou desta publicação?

Publicado por Redação Bastidores

Perfil oficial da redação do site.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

China proíbe reality shows e ordena imagem mais masculina dos homens

Astros de Hereditário se reencontram anos depois da estreia do filme