Esse é um tema sensível, atual e que deve ser discutido por todos. Recentemente estreou na Netflix a série 13 Reasons Why (13 Porquês) que toca nesse tema do suicídio. Decidimos criar uma lista com alguns filmes que tratam sobre o assunto.

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

10. Veronika Decide Morrer! (Emily Young, 2009)

Baseado na obra do escritor Paulo Coelho o filme teve uma recepção fria pelo público, mas não deixa a desejar do livro. No filme Veronika (Sarah Michelle) é uma mulher com um ótimo estilo de vida. Tem um bom trabalho e um apartamento em Nova Iorque. Apesar de tudo, algo não faz sentido em sua vida e então ela decide tomar uma atitude radical. Por ser uma adaptação do livro o diretor não fez mudanças estruturais, a história corre bem. Trata sobre um tema espinhoso com delicadeza, mas sem se aprofundar muito. O interessante dele é que mostra que sempre há o lado bom da vida e sempre temos escolhas.

9. 2:37 – É Só Uma Questão de Tempo (Murali K. Thalluri, 2006)

Baseado em fatos reais esse longa conta a história de seis jovens estudantes que vêem suas vidas unidas pelas situações mais comuns de toda a juventude. Esse filme mostra os dilemas vividos pelos personagens e acompanha a trajetória de cada um. Produção essencial porque insere o telespectador do ponto de vista de outras pessoas e vivencia as situações que eles passam e que não estamos habituados a presenciar. É uma ideia boa e original e que deve ser assistido.

8. O Pacto (Sion Sono, 2001)

Traduzido no Brasil como O Pacto, mas também conhecido como “Suicidal Club” conta a história de um suicídio coletivo de garotas do mesmo colégio no Japão. O caso tem grande comoção pública e outros casos começam a aparecer pelo país. É um suspense que tem uma crítica social embutida. O Japão é recordista mundial em suicídios coletivos e esse longa parece ser uma ficção, mas aborda uma realidade muito presente na sociedade japonesa.

7. Gente Como a Gente (Robert Redford, 1980)

Longa aborda diversos temas como: processo pela fase de luto, culpa e violência. No caso, violência psicológica empregada pela mãe contra seu filho, Conrad que o culpa pela morte de seu outro filho favorito. Conrad sente culpa e se sente responsável pela morte de seu irmão. Ele tenta o suicídio e passa a ter que conviver com todo esse drama. Como filme ele é bem arrastado, mas a ideia é muito boa tanto que recebeu quatro prêmios do Oscar em categorias importantes como a de melhor filme e melhor diretor. Aborda como um sentimento de perda e tristeza pode se tornar algo muito maior e silenciosamente afetar a todos e no caso levar a tentativa de suicídio de Conrad.

6. Garota Interrompida (James Mangold, 1999)

Garota Interrompida traz várias reflexões importantes. Uma garota com Transtorno de Borderline (Winona Ryder) e depois de tentar suicídio é internada pela família com a alegação de seu psiquiatra que ela está causando dor na família e é levada para um hospício para tratamento. Ela faz amizade com outra mulher (Angelina Jolie) e as duas começam a criar um laço de amizade. Trata sobre o suicídio com uma delicadeza e profundidade alinhado a uma crítica ao sistema que considera pessoas deprimidas como doentes a ponto de ter que institucionalizar elas. A atuação de Angelina Jolie é maravilhosa como a garota problemática.

5. Miss Violence (Alexandros Avranas, 2013)

Ganhador do Leão de Prata em Veneza esse longa trata de assuntos relacionados a sociedade grega a partir de uma fatalidade envolvendo uma família. No caso, uma garota (Chloe Bolota) em seu aniversário de 11 anos se joga da varanda de casa e sua família alega que não foi suicídio, e sim um acidente. Tentando encontrar respostas, promotores iniciam uma investigação para saber se foi ou não um caso de suicídio. É um filme que choca em alguns aspectos e infelizmente é desconhecido do público. Os temas discutidos nele são muito importantes, pois retrata os problemas envolvendo a sociedade grega e alguns outros assuntos mais profundos.

4. As Virgens Suicidas (Sofia Coppola, 1999)

Baseado no livro de Jeffrey Eugenides e estrelado por Kirsten Dunst, esse é o primeiro longa de Sofia Coppola como diretora. No filme quatro irmãs são trancadas do convívio externo depois que a irmã mais nova comete suicídio, mas isso só atiça a curiosidade das quatro de querer escapar para o mundo exterior e vivenciá-lo. Esse longa tem uma abordagem sensível de um tema tão complicado quanto o suicídio. Sofia impõe delicadeza e suavidade em cada cena que as irmãs aparecem. 

3. A Ponte (Eric Steel, 2006)

Esse é um documentário que teve muita repercussão quando foi lançado por falar de maneira direta sobre o suicídio. Ele apresenta e tenta entender qual a razão pela qual as pessoas escolhem a ponte Golden Gate nos EUA para se suicidarem. Enquanto o diretor filmava acabou por presenciar alguns casos e isso talvez choque algumas pessoas. É um documentário importante para aqueles que querem entender melhor o que leva pessoas a cometerem o suicídio. Para isso o diretor vai atrás de familiares para conversar a respeito do tema.

2. Últimos Dias (Gus Van Sant, 2005)

Longa é o terceiro de uma série de filmes feitos por Gus Van Sant com o nome de trilogia da morte (Gerry, Elefante e os Últimos Dias). Em uma ótima atuação de Michael Pitt que de forma alegórica reproduz o cantor Kurt Cobain da banda Nirvana. Um cantor de rock recluso passa seus últimos dias em completo isolamento em sua casa de bosque e reflete sobre a vida. Enquanto amigos passam por lá para pedir favores ou passam para vender coisas ele acaba por se isolar mais e mais. Como o próprio nome diz, o filme retrata como teriam sido os últimos dias do cantor antes de cometer suicídio. 

1. Gosto de Cereja (Abbas Kiarostami, 1997)

O primeiro lugar não poderia ficar se não para essa bela produção do Irã. Vencedora da Palma de Ouro de Cannes em 2000 é um clássico do cinema iraniano que aborda um tema delicado para a sociedade do país que tem a religião enraizada em sua sociedade. No filme Baadi viaja de carro pelos campos de Teerã a procura de alguém que possa o auxiliar em sua morte. No caminho ele pede a diversas pessoas que verifiquem se ele realmente morreu e depois possa enterrá-lo. A importância desse filme é enorme em discutir o suicídio de maneira tão profunda e sútil ainda mais em um país em que esse tema não é muito discutido. Gosto de Cereja é a obra-prima de Abbas Kiarostami e é essencial para quem quiser saber mais sobre o tema.

Comente!