em ,

Wagner Moura diz que Marighella não foi lançado no Brasil por causa de censura

O diretor do filme Marighella, Wagner Moura, teve entrevista concedida a coluna de Leonardo Sakamoto divulgada nesta terça-feira (14), em que fala sobre o cancelamento da estreia de seu filme Marighella no Brasil. Na entrevista o cineasta diz que a Ancine censurou a produção.

“Como grande empresa, a [produtora] O2 não pode chegar e dizer que a Ancine censurou o filme. Mas eu posso. Susteno o que já disse. É uma censura diferente, mas é censura, que usa instrumentos burocráticos para dificultar produções das quais o governo discorda. Não há uma ordem transparente por parte do governo para que isso aconteça, no entanto já vimos Bolsonaro publicamente dizer que a cultura precisa de um filtro. E esse filtro seria feito pela Ancine”.

O ator continuou falando sobre o jeito como a Ancine é tocada pelo atual governo. 

“A forma que o governo escolheu para censurar a cultura no Brasil foi aparelhar instituições, como a Ancine, uma vez que nosso cinema, nosso teatro, ainda são – infelizmente – dependentes de recursos públicos. Quando a Ancine é aparelhada pelo bolsonarismo, qualquer pedido com relação a um filme como o Marighella será negado”

A data de estreia do filme seria de novembro de 2019, mas teve sua estreia cancelada, após ter dois pedidos rejeitados pela Ancine. Wagner Moura diz que ainda busca apoio para lançar o longa, mesmo com a esperança de “que a Ancine honre o compromisso, uma vez que já havíamos sido contemplados pelo fundo”.

Marighella passou por vários festivais pelo mundo, inclusive o Festival de Berlim. O elenco conta com Seu Jorge, Adriana Esteves, Bruno Gabliasso e Humberto Carrão.

Por enquanto não há data de estreia para Marighella nos cinemas brasileiros.

O que você achou desta publicação?

Redação Bastidores

Publicado por Redação Bastidores

Perfil oficial da redação do site.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Loading…

0

Comente!

Spike Lee é o novo presidente do Júri do Festival de Cannes

Crítica | Joias Brutas – O Lado Obscuro do Dinheiro