» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

Em 2011, Lady Gaga já havia se firmado como um expansivo ícone da cultura pop contemporânea. Além da originalidade de suas músicas, cujo estilo também se reverenciava ao classicismo musical e irreverente das décadas de 1980 e 1990, sua paixão por falar exatamente o que pensa a colocou no centro de todos os holofotes, permitindo inclusive que sua figura fosse a mais representativa para a comunidade LGBTQ+, cujo principal obstáculo a ser enfrentado é a autoafirmação e a conquista de um espaço digno e reconhecido dentro da sociedade.

Mas é claro que a fama e o apreço de seus fãs, também recíproco, não poderia vir desprovido de críticas ferrenhas, tanto ao teor de suas composições – perscrutadas pela proximidade ao sexo, à ambição e à individualidade – quanto à sua estética pessoal, conhecida por ser totalmente fora dos padrões aos quais se estava acostumado. Logo, não é à toa que a cantora, em sua obra-prima, tenha lançado Born This Way como um ode à autoaceitação, a abraçar quem você realmente é sem se importar com as duras investidas daqueles que te cercam. E dentro de um contexto que aparentemente mostra-se mais retrógrado que progressista, criar narrativas, tanto literárias quanto audiovisuais, que sirvam de inspiração e de apoio para aqueles que se sentem desamparados, é praticamente uma benção, uma centelha de esperança dentro de um abismo obscuro e ameaçador.

O lead single homônimo de seu terceiro álbum de estúdio pode ser considerado um hino épico de resposta às críticas que não apenas ela recebe constantemente, mas sim que todos que são vistos como “anormais” e “aberrações” sofrem por terem coragem o suficiente de quebrar paradigmas seculares e, à prima vista, inquebráveis. O refrão, fazendo uma alusão à beleza única de cada uma das pessoas, repete inúmeras vezes a frase “eu sou lindo do meu modo, porque Deus não erra”, inclinando-se para uma vertente extremamente pessoal da cantora – a religiosa – para reafirmar que os indivíduos são livres para serem quem quiser e para agirem da forma como querem, visto que tem a sua liberdade e livre-arbítrio para caminharem por conta própria. Além da tocante palestra motivacional que apresenta ao público, a música já mostra um distanciamento considerável de seus álbuns anteriores, fincando-se mais em um dance-pop eletrônico que no techno. O resultado não apenas foi positivo, mas transgressor, sendo banido de inúmeros países cristãos.

Se essa canção já foi uma divisora de águas, Gaga apenas se supera com as outras bases de seu disco. Hair, um dos singles promocionais, é uma história de amor-próprio e enfrentamento muito envolvente, principalmente por sua arquitetura baseada em suaves notas de piano e saxofone clássicos que se mantém até o beat da segunda estrofe, retornando gradativamente para o forte techno-pop e alcançando seu ápice num incrível refrão. A faixa talvez seja uma das mais bem construídas de sua carreira, visto que utiliza-se de todo o potencial que possui e explora inúmeras habilidades vocais da artista. The Edge of Glory e Yoü and I entram como faixas muito necessárias e que, ao mesmo tempo, são complementares e conflituantes com a supracitada, não pelo teor narrativo, mas sim por sua composição musical que se mantém em um ritmo mais abastado e repetitivo propositalmente. Entretanto, essa possível monotonia é logo varrida para debaixo do tapete pela poderosa tecedura de Gaga e pela entrada de elementos inusitados – mais uma vez o saxofone.

Como já mencionado, a fé cristã é extremamente importante para a cantora. Não de uma forma institucional, mas sim dogmática: ao contrário da criação familiar que recebeu, ela não se baseia estritamente nas palavras de líderes religiosos para se entregar à crença de um Deus único e todo-poderoso, mas absorve aquilo que encara como imprescindível para sua própria evolução e coloca uma perspectiva individualista, inquietante e completamente repaginada com toques contemporâneos que vão desde a presença imagética de roupas de couro até a mistura de cantos gregorianos com o teclado sintético. Electric Chapel, Fashion of His LoveBloody Mary e Black Jesus + Amen Fashion são odes cristãs, a quadrúplice aliança, mas que não são ambientadas necessariamente dentro de um templo convencional: a “capela elétrica” refere-se às boates e às danceterias, locais onde o louvor à música e à expressão artística são elevadas a um nível extremo e extasiante; quanto às duas outras faixas, Gaga refere-se tanto ao momento em que conheceu um novo homem para amar, Jesus Cristo, quanto à crescente caracterização de “moda” que sua figura ganhou. “Jesus é o novo preto”, ela diz, várias e várias vezes.

Dentro dessa vertente, Judas, que também tornou-se single promocional para o álbum, emerge como uma das músicas mais afrontosas, não apenas por sua construção, mas também pela mensagem que passa: através de uma trama essencialmente descritiva, Gaga encarna a personagem de Maria Madalena para dizer que amava tanto a Jesus Cristo quanto a Judas Iscariotes, o “traidor” dos Apóstolos que tornou-se uma figura martirizada desde a Idade Média. Entretanto, colocando-se no papel de qualquer ser humano, a artista cria uma dissertação que analisa a aceitação de seu lado ruim e de seu lado bom, dois componentes da completude humana – “Jesus é minha virtude, e Judas é o demônio ao qual me inclino”.

Como se não bastasse, a cantora também abraça o seu lado compulsivo e permeado por “desejos da carne”, por assim dizer, ao construir músicas do estilo Scheiße e Government Hooker. Scheiße, iniciando-se com um prólogo inteiro cantado em alemão, dialoga com as estéticas vanguardistas de nomes conhecidos – incluindo a banda Rammstein – e aproveita para colocar seu toque único do synthpop, que viria a se tornar mais uma marca registrada de seus álbuns. A história foca num encontro sexual entre duas pessoas, na qual Gaga é a protagonista e, apesar de se mostrar como submissa e passível de fazer tudo o que o outro deseja, até mesmo conversando com alguns elementos do BDSM (Bondage, Dominação, Submissão e Sadomasoquismo), ela tem controle de tudo e não permite que outro alguém a julgue por sua sexualidade.

Government Hooker, nesse quesito, tem um afronte muito mais específico que leva as reações finais para um nível inenarrável. Na música, o eu lírico é livre para ser mal, para ser bom, para ser sexy e para se entregar completamente àquele ou àquela que a possui. E mesmo dentro desse jogo perigoso de sedução, o qual termina com uma completa rendição ao corpo e ao extremo do êxtase, ela ainda tem controle e autoestima suficientes para poder encarnar qualquer fantasia que seu par possua. De um modo claro e quase visceral, “desde que eu seja sua prostituta” é a frase que resume seus desejos, diferentemente da investida de Americano, uma narrativa essencialmente epopeica que evoca as grandes escapadas do romantismo literário em um tango eletrônico incrivelmente bem delineado e que expande até mesmo os horizontes do público.

Além do claro afastamento dos álbuns anteriores, Gaga tem uma liberdade quase completa em Born This Way, principalmente ao conseguir unir em um mesmo disco referências à ópera, ao disco e, principalmente, à corrosão imaginativa e musical do rock. O que o torna majestoso e memorável é que a cantora soa quente e humana; cada uma de suas faixas está adornada com detalhes emocionais e pessoais, insurgindo como fortes declarações cujas pesadas traduções soam como ecos de seu coração torcido e angustiado.

Nota por faixa:

  • Marry the Night – 4/5
  • Born This Way – 5/5
  • Government Hooker – 4,5/5
  • Judas – 5/5
  • Americano – 4,5/5
  • Hair – 5/5
  • Scheiße – 5/5
  • Bloody Mary – 4,5/5
  • Bad Kids – 5/5
  • Highway Unicorn (Road to Love) – 4,5/5
  • Heavy Metal Lover – 4/5
  • Electric Chapel – 5/5
  • Yoü and I – 4/5
  • The Edge of Glory – 4,5/5
  • Fashion of His Love (lançado na versão deluxe) -5/5
  • Black Jesus + Amen Fashion (lançado na versão deluxe) – 5/5
  • The Queen (lançado na versão deluxe) – 4,5/5

Born This Way (Idem, EUA – 2010)

Gravadora: Interscope
Lead: Lady Gaga
Composição: Stefani Germanotta, Nadir Khayat, Fernando Garibay, Jeppe Laursen, Paul Blair
Gênero: Pop, Electro Rock, Techno, Dance
Faixas: 14
Duração: 61 min.

Comente!