A fantasia é um gênero derivado da ficção que trabalha temas como o sobrenatural e ambientes mágico e tem a magia como fator principal na criação da narrativa. Nessas histórias não é difícil encontrar dragões, mundos fantásticos, orcs e elfos. O gênero da fantasia sempre foi bastante trabalhado pelo cinema, rendendo ótimos longas que até hoje são lembrados por quem assistiu.

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

10. A Princesa Prometida (1987)

Este é um clássico desconhecido, mas que vale muito a pena ser visto. Sua principal mensagem é do poder da leitura e como ela pode te levar para lugares inexplorados, cheios de aventura e perigos. Um senhor de idade lê um livro chamado de “A Princesa Prometida” para seu neto doente e nisso podemos ver na imaginação a criação desse mundo e passamos a acompanhar. Destaque para a princesa Buttercup interpretada pela atriz Robin Wright (House Of Cards) e para a boa ambientação da criação do mundo fantástico, além de ser uma paródia bem definida do mundo épico medieval. Produção foi indicada ao Oscar de 1988 na categoria melhor música e foi inspirada na obra do escritor e roteirista William Goldman que lançou o livro original em 1973 e em 1987 o levou aos cinemas. 

9. Labirinto – A Magia do Tempo (1986)

Das produções dos anos 80 sobre o universo fantástico uma das que mais traz nostalgia é sem dúvida Labirinto. Um filme que trazia como vilão principal o astro do rock David Bowie, em uma interpretação fantástica e que chegava a dar medo de tão realista. O ponto forte do longa de Jim Henson (O Cristal Encantado) é a criação do mundo imaginário que a protagonista acaba indo parar para pegar de volta seu irmão mais novo que foi levado por pequenos duendes durante a noite. Jim Henson é um diretor que trabalhou bastante em suas produções o tema da fantasia, com orcs, elfos e outros monstros. Na época em que Labirinto foi filmado os efeitos especiais digitais ainda não existiam no jeito que conhecemos hoje e tudo que se vê nele foi feito pelo pessoal dos efeitos especiais, que trabalharam para dar maior realidade aos personagens. 

8. Highlander – O Guerreiro Imortal (1986)

Christopher Lambert ficou imortalizado no papel do guerreiro imortal Highlander. Esse é outro filme clássico da década de 80, seu sucesso foi tão grande que contou com duas continuações diretas com o próprio Lambert como protagonista e outros derivados não muito relevantes, além de uma série de 1992 pegando a linha temporal do longa de 86. Connor MacLeod (Christopher Lambert) se descobre um imortal ainda no século XVI e a partir de então descobre que não é o único com esse poder. Dando um salto temporal para o ano de 1986 ele se encontra no desafio de enfrentar um outro Highlander também imortal e para isso terá que lutar contra ele para que seja o único da classe de imortais. Highlander é um personagem que pode voltar em breve às telas, já que um remake está em desenvolvimento e essa é uma ideia interessante. O público moderno não o conhece, e em meio a onda de remakes que Hollywood vem desenterrando não seria de se espantar que isso ocorreria. 

7. O Mágico de Oz (1939)

Inspirado na obra de L. Frank Baum Mágico de Oz é um clássico do cinema e que no ano de 2013 a Disney tentou resgatar com o fraco Oz: Mágico e Poderoso que foi uma tentativa de atualizar uma história tão antiga. Oz é uma produção simples e mesmo nos dias de hoje é espetacular, levando em conta o tempo em que foi filmado. A fantasia é bem construída com a presença da fada e da Bruxa, trazendo o confronto entre o bem e o mal com a presença inocente da garota Dorohty, que é ajudada em sua jornada pelos três cavaleiros que são o espantalho, o leão e o homem de lata. O principal elemento da produção são as cores em uma época em que o cinema banco e preto perdia espaço e o cinema colorido ganhava mercado. Algumas cenas de Mágico de Oz foram gravadas em preto e branco devido ao alto valor que a tecnologia colorida custava, o preto e branco era mais barato por isso resolveram mesclar as técnicas. 

6. O Labirinto do Fauno (2006)

Se há um diretor que sabe trabalhar o universo fantástico esse é Guillermo Del Toro (A Forma da Água). Em Labirinto do Fauno ele trabalha como nunca o imaginário de uma garota que se encontra na casa de um general na época do regime franquista. É uma alusão a ditadura e é assustador o jeito que ele cria esse universo que a garota se encontra, a fazendo conhecer um mundo grotesco e cheio de maldade. Consagrado com o Oscar de melhor filme estrangeiro ajudou a alavancar sua carreira de diretor. 

5. A Viagem de Chihiro (2001)

O Studio Ghibli já era bastante conhecido quando A Viagem de Chihiro estourou nos cinemas. O anime fez tanto sucesso que ajudou a popularizar ainda mais o estúdio com um público que não conhecia ainda as fantásticas produções de Hayao Miyazaki. Cheia de simbolismo e metáforas com a cultura japonesa a produção ganhou, merecidamente o Oscar de melhor animação e não é um erro de dizer que é uma das maiores obras de Miyazaki. A fantasia está bastante presente com a garota interagindo com personagens muitas vezes que não são do nosso plano terrestre. 

4. Saga Harry Potter

Há inúmeras grandes franquias de sucesso no cinema Star Wars, Star Trek, Planeta dos Macacos e junto podemos colocar a saga do bruxinho Harry Potter. Com oito longas inspirados em sete livros lançados pela autora J. K. Rowling (último livro foi desmembrado em dois filmes) se tornou um sucesso instantâneo, fazendo com que todos os filmes brigassem pelo primeiro lugar nas bilheterias sempre que estreavam nos cinemas. Seguimos por oito anos a saga de Harry Potter com seus dois fiéis amigos, Hermione (Emma Watson) e Ronald Weasley (Rupert Grint). O principal acerto da franquia foi trazer algo já muito mostrado na cultura pop que eram as bruxas e os bruxos para uma faixa etária que estava ávida por novas histórias do gênero. Hogwarts é até hoje um dos lugares que os fãs da saga mais sonham em visitar e muitos dos nomes usados nas produções se tornaram populares. Sucesso foi tamanho que mesmo depois do término do último filme decidiram criar uma nova safra de adaptações puxado por Animais Fantásticos e Onde Habitam que terá uma continuação em breve. 

3. Monty Python Em Busca do Cálice Sagrado (1975)

A trupe do Monty Phyton é famosa pelo seu humor nonsense que quase sempre beira o absurdo empregado em suas produções. Em o Cálice Sagrado criaram uma sátira da época medieval, mais especificamente usando a famosa história do Rei Arthur e com o famoso artefato conhecido como cálice sagrado que dá nome ao filme. Durante todo o tempo o que se vê são cenas e mais cenas surreais como a de um coelho assassino que devora todos que tentam entrar em uma caverna, ou a dos cavaleiros que dizem Ni. São tantas piadas inteligentes que é difícil não dar risada.

2. O Sétimo Selo (1957)

Obra-prima de Ingmar Bergman tem papel de destaque em sua cinematografia por trazer uma trama ambientada na época da Idade Média. Filme veio em uma época em que a Europa ainda passava pelos traumas vividos pela Segunda Guerra Mundial e o filme carrega essa aura sombria. A cena clássica em que o cavaleiro medieval joga xadrez com a morte é famoso e é apenas um elemento a mais em uma produção tão inteligente.

1. Trilogia O Senhor dos Anéis

Senhor dos Anéis não era um livro popular no Brasil quando o primeiro longa foi lançado, mas tudo mudou dese que a saga da Terra Média em que os Hobbits Frodo e Sam precisam cuidar do anel para que ele não caia na mão de Sauron. É uma verdadeira obra-prima do cinema fantástico e um épico em que conhecemos e acompanhamos a trajetória da sociedade do anel passando por montanhas perigosas, florestas sombrias e territórios inóspitos para que a missão seja concluída. São três longas que foram sucesso de público e crítica, fazendo com que a trilogia levasse inúmeros prêmios Oscar, com destaque para o último filme da saga “O Retorno do Rei” que sozinho levou 11 Oscar empatando em prêmio com outro clássico do cinema Ben-Hur. Senhor dos Anéis é uma epopeia mágica em que os personagens precisam enfrentar elfos, orcs, ents, magos, Nazguls… e por aí vai. Tudo no universo cinematográfico foi criado levando em conta os livros de J.R.R Tolkien. Além do Senhor dos Anéis, Tolkien escreveu outras sagas a respeito da Terra Média como O Hobbit (também levado aos cinemas) e O Silmarillion. Há uma série sendo produzida pela Amazon e que promete ter o mesmo sucesso dos longas.

Comente!