Esse ano de 2018 é realmente especial para uma das franquias mais amadas que conseguiu transformar o cinema blockbuster em algo verdadeiramente mágico e sem fronteiras: Jurassic Park. A comemoração dos 25 anos de existência na cultura popular após o enorme sucesso do primeiro filme em 1993 realmente está sendo bastante ativa com diversos produtos novos para relembrar a grandeza encantadora que essas criaturas e esse parque temático inspiram em diversos fãs hoje e sempre.

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

Com o lançamento não só de um novo filme, Jurassic World: Reino Ameaçado, mas também de um jogo inteiramente novo com o já elogiado Jurassic World Evolution, é uma hora muito conveniente para escrever aqueles rankings que sempre divertem quem faz, mas, por vezes, enervam o leitor. Mas estamos entre amigos, pois somos fãs confessos de Jurassic Park e nada mudará isso.

Confira:

5. Jurassic World: Reino Ameaçado

O último longa da franquia também visa mimetizar certas similaridades gritantes com o segundo capítulo da trilogia Jurassic Park. Se valendo de uma estrutura muito similar, além de introduzir novos personagens completamente irritantes que funcionam apenas como dispositivos de narrativa e perpetuar diversos clichês, nem mesmo a direção de J.A. Bayona funciona apesar de encontrar bons momentos em raras cenas. Ao menos, o que o longa estabelece é, no mínimo, curioso.

4. Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros

O aguardado soft reboot da franquia chegou em 2015 trazendo um frescor de ideias ao mostrar, momentaneamente, como seria o parque que John Hammond havia idealizado em pleno funcionamento. Enquanto o conceito do parque em si é interessante, assim como o Indominus Rex, presença assustadora como o dinossauro antagonista, são acertos reconhecíveis que podem até mesmo gerar uma experiência divertida. Mas não fosse os tremendos roteirismos, personagens insuportáveis, mensagem hipócrita ambientalista e, ainda por cima, uma das direções mais preguiçosas de todos os tempos na franquia com o comando de Colin Trevorrow, seria possível que Jurassic World realmente fosse um bom filme.

3. O Mundo Perdido: Jurassic Park

O sucesso de Jurassic Park em 1993 foi tão intenso que rapidamente a Universal encomendou uma sequência, aproveitando a desculpa que o próprio livro de Michael Crichton possuía um novo episódio. Apesar de se afastar fortemente do material original, Spielberg e cia. Retornam para fazer um clássico “maior e melhor”, apesar de só cumprir a porção do maior. Apostando em novas cenas icônicas e muito eficientes, além de apresentar mais dinossauros, personagens instigantes e até mesmo o uso criativo dos tiranossauros em outros biomas, O Mundo Perdido oferece elementos positivos, mas peca por conta de longas porções narrativas arrastadas que raramente oferecem o mesmo impacto de outrora.

2. Jurassic Park III

Sim, reconheço que muita gente vai estranhar este longa estar como o segundo melhor da franquia, mas confesso que admiro bastante a coragem de Joe Johnston em fazer um revamp do primeiro filme ao jogar o querido doutor Alan Grant em uma narrativa problemática, mas recompensadora. Apesar da presença nada agradável de personagens irritantes, principalmente a encarnada por Tea Leoni, é importante ressaltar como Johnston é o diretor que mais satisfaz o espectador na questão de exibir os dinossauros em tela, seja em perseguições ou batalhas icônicas como a da T. Rex contra o famigerado Espinossauro que até hoje conquista arrepios com sua presença realista em tela. Funcionando basicamente como uma perseguição gigantesca e repleta de cenas divertidas, Jurassic Park 3 não se compromete ao tentar entregar mais o que se propõe.

1. Jurassic Park: O Parque dos Dinossauros

A franquia Jurassic pode se estender por cinquenta anos, mas é muito improvável que um dia chegue a superar o trabalho histórico de Steven Spielberg com essa obra-prima do cinema dos anos 1990. Trabalhando apenas com míseros catorze minutos de dinossauros em tela, Spielberg conseguiu estruturar o efeito de maravilhamento que todos os outros perseguem, mas falham mesmo com a mais poderosa das tecnologias.

Agraciado com um roteiro redondo e poucos erros de execução, além de um elenco caprichado para encarnar personagens inesquecíveis, Spielberg foi capaz de entregar algo simplesmente histórico ao misturar a dosagem perfeita de horror com aventura, resultando nas sequências de suspense fenomenais que antecedem a revelação dos temidos velociraptors e também da icônica Rexy, a T-Rex do parque não aprovado de John Hammond.

Esse é nosso ranking, por mais polêmico que seja. Mas nos contem nos comentários como seriam os seus! 

Leia mais sobre Jurassic Park

Comente!