em , ,

Crítica | Espírito de Família – Apenas Mais Uma Comédia Francesa

O cinema francês tem um gosto peculiar por retratar as diversas reuniões familiares e também seus muitos dramas particulares. É quase que uma receita infalível que compõe seus roteiros dramáticos e suas comédias, e sempre há espaço para novas histórias e abordagens diferentes a serem retrataras pelos diretores e roteiristas. Em Espírito de Família (Eric Besnard) há uma tentativa de se mostrar como uma família irá passar os próximos dias após o luto da perda do pai que morreu recentemente.

É uma trama que tinha tudo para ser tocante e emocionante, ainda mais pelo cinema francês ter uma conhecida tradição em trabalhar roteiros dramáticos e também por desenvolver idéias a respeito de temas familiares e e que refletem sobre os conflitos da vida, fatos que deixam com que a história fique mais emotiva. Mas não é isso que se vê no filme, na realidade, é totalmente o contrário. Em Espírito de Família, o longa acaba por se tornar totalmente monótono, na verdade ele é entediante em pouco mais de uma hora e meia, e isso tem muito a ver com as decisões tomadas pelo diretor em relação ao roteiro.

O filme conta a história de Alexandre (Guillaume de Tonquédec), um escritor que vive em seu próprio mundo, criando personagens e histórias fantasiosas e ignorando tudo o que ocorre ao seu redor e todos a sua volta, até mesmo seu pai. Isso até que algo dramático ocorre e o traz novamente para o mundo real, o tirando das páginas do livro que escrevia. Esse início é bastante chamativo e serve apenas para mostrar que Alexandre é uma pessoa fria, que todos consideva como um homem que não se importa com o problema dos outros e que não olha para os problemas que o cerca.

É daí que o roteiro tira a principal reflexão: que é a de colocar o personagem de seu pai, Jacques (François Berléand), como uma presença constante na narrativa, surgindo como se fosse um fantasma a todo instante e realizando pausas na trama e interagindo com o protagonista. A ideia é a de fazer com que Alexandre e Jacques mantenham os laços afetivos, fato que não conseguiram colocar em vida e de um jeito fazer com que Alexandre volte a viver no mundo real. É uma ideia interessante, mas que não é tão bem trabalhada, e que o diretor a sufoca em alguns momentos com pouca ação por parte do protagonista e com poucas reflexões lúcidas por parte do mesmo.

Muitas das situações apresentadas no longa poderiam ser melhores trabalhadas, ou até mesmo desenvolvidas de uma forma que pudesse dar certa emoção ao público e que também pudesse deixar o filme menos entediante do que foi. Cenas como a do jogo de rúgbi na praia parecem ter sido jogadas no ali pelo diretor para dar mais graça e preencher um vazio que o roteiro não havia até então conseguido preencher. Há uma graça na produção, mas que faltou algo a mais, isso de fato faltou.

Espírito de Família (L’esprit de famille, 2019, França)

Direção: Éric Besnard
Roteiro: Éric Besnard
Elenco: Guillaume de Tonquédec, François Berléand, Josiane Balasko, Isabelle Carré, Jérémy Lopez, Marie-Julie Baup
Gênero: Comédia, Drama
Duração: 90 min

O que você achou desta publicação?

Avatar

Publicado por Gabriel Danius

Jornalista e cinéfilo de carteirinha amo nas horas vagas ler, jogar e assistir a jogos de futebol. Amo filmes que acrescentem algo de relevante e tragam uma mensagem interessante.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Loading…

0

Comente!

Autor de Forrest Gump, Winston Groom, morre aos 77 anos

Crítica | Ratched – 1ª Temporada: A Estética da Morte