em

Crítica | Harry Potter and the Philosopher’s Stone

A fama de Harry Potter, sem dúvidas, é de se respeitar. Muitos já devem ter pelo menos lido algum dos livros ou assistido um dos filmes no cinema. A magia que a saga traz conquistou uma legião de fãs de diversas idades a admirarem o bruxinho e a se identificar com diversos personagens da saga. Nos videogames o sucesso não poderia ser diferente e em 2001 a Eletronic Arts lança o primeiro jogo baseado no filme com o mesmo nome ”Harry Potter e a Pedra Filosofal” para todas as plataformas.

Mencionar o enredo do jogo HPPF é uma coisa interessante. Diferente dos filmes e livros, o jogo tenta reduzir ao máximo possível o enredo e focando nas partes mais importantes das aventuras de Harry como o nascimento do dragão Norbert, o salvamento da personagem Hermione contra o trasgo e o clássico jogo de xadrez bruxo. Também vale ressaltar de algumas animações após alguns capítulos completos mostrando um velho livro e o narrador contanto a história de algumas partes do jogo.

Por ser um jogo do ano de 2000 os gráficos são bem antigos, mesmo para a época onde o motor gráfico de Max Payne e Tony Hawk eram as grandes maravilhas do momento, HPPF não tem um motor gráfico tão forte, porém podemos notar alguns momentos de surpreender os jogadores. Até mesmo os mais exigentes, com o detalhamento e preenchimento com quadros, estatuas e alunos acabam embelezando os cenários da escola de Hogwarts.

Um ponto muito importante de parabenizar o jogo é sua exploração, os coletáveis estão espalhados em lugares secretos na escola de Hogwarts, logo o jogador tem que ficar bem ligado com espelhos secretos, paredes invisíveis e passagens escondidas em torno dos cenários, podemos parabenizar outro aspecto bem original do jogo HPPF no qual retrata o andamento do progresso no jogo.

Normalmente os jogadores estão acostumados com múltiplas fases ou com uma série de capítulos, mas aqui em HPPF temos aulas de magia e os desafios que os professores acabam lhe pedindo para ser concluídas, um método bem original e bem pensado por parte dos produtores do jogo.

Ao começar, vamos reparar nos famosos “feijões de todos os sabores” que seria um tipo de moeda que o jogo coloca, porem a sua utilidade não é muito bem explorada e pensada, não podemos fazer nada com esse item a não ser juntar e trocar de vez em quando para os irmãos Wesley por uma figurinha, no final das contas os feijões são apenas preenchimento para o jogo não ficar muito incompleto.

A jogabilidade de HPPF não é das melhores, um problema muito incomodo é o fato de que não podemos mexer a câmera que fica trava no personagem Harry, dificultando escalar obstáculos e até mesmo mirar em inimigos. Os pulos de Harry também são bem esquisitos não dando uma impressão de que ele está se jogando em alguma plataforma ou que irá desviar de magias ou inimigos.

No jogo também podemos jogar o tão famoso Quadribol contra as outras casas na escola de Hogwarts. A mecânica é bem pensada para voar e acelerar a vassoura. Aqui Harry tem que pegar o Pomo de ouro, para isso Harry precisa voar através dos arcos que o Pomo cria ao voar na quadra. O segredo para vencer essa partida é apenas ter calma e levar o tempo que precisar já que nesse modo o jogador não tem como perder a partida de Quadribol.

Existe uma versão não oficial do jogo que está dublada em português e que teve realmente um ótimo trabalho, mesmo sendo esquisito ter outros dubladores fazendo a vozes de Harry Hermione e Rony acabamos nos acostumando bem e dando uma chance, uma das coisas complicadas é erros de fala de algumas magias saindo com outras pronuncias, a interação de personagem para personagem é bem simples e não espere muitas falas vinda de Harry Potter já que em todo o jogo ele fica calado a não ser para citar as magias.

Por ser um jogo voltado para o público mais infantil, HPPF não tem muitos desafios e nem mesmo uma dificuldade mediana. Para aqueles jogadores mais experientes é possível finalizar o jogo sem ao menos ser derrotado uma única vez, a duração do jogo não é muito grande podendo ser finalizado em torno de 5 a 7 horas o seus 100%, mesmo sendo simples e sem desafio algum o jogador fica preso e cria um certo carinho pelo jogo motivando a vasculhar a escola por segredos e a interagir com certos alunos.

HPPF é um jogo clássico de uma velha geração de bons jogadores, mesmo sendo um jogo simples e sem dificuldade sua beleza está voltada nos cenários bem produzidos e música bem usada em cada momento do jogo. A exploração é muito bem-vinda no jogo e dá vida ao tão grande castelo de Hogwarts.

A jogabilidade peca em muitos momentos e obriga o jogador a se acostumar com a mecânica travada e os movimentos complicados de Harry, relembrar cenas importantes do filme não tem preço e pode trazer muita nostalgia a todo tipo de jogador, com toda sua fama Harry Potter tem um lugar especial no mundo dos games fazendo seus jogos clássicos e antigos ainda serem muito bem apreciados até mesmo nos anos atuais de videogame.

O que você achou desta publicação?

Publicado por Redação Bastidores

Perfil oficial da redação do site.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Crítica | Elle

Crítica | Westworld – 01×07: Trompe L’Oeil