A morte em narrativas clássicas sempre tem um propósito claro: transformação. O abalo de uma morte para um personagem fictício de algum companheiro ou ente querido é tão significativa quanto para nós, na vida real, afinal a arte é um reflexo da vida. Seja no cinema, na literatura ou em séries de televisão, vemos esses personagens se motivarem em uma jornada de vingança, serem completamente destruídos pelo seu fracasso em proteger quem amam ou chegam a mudar de índole totalmente se tornando o inverso do que eram até ali.

Obviamente, o mesmo ocorre nos games, mas com possibilidades ainda maiores na transformação da jornada do protagonista. Alguns jogos simplesmente nos destruíram e chocaram ao apresentar mortes que praticamente ninguém esperava e justamente por isso separamos as dez mais impactantes que experimentamos na vida.

“Soap” MacTavish em Call of Duty: Modern Warfare 3

Soap foi um dos personagens que controlamos em Call of Duty 4: Modern Warfare. Com a Infinity Wars desenvolvendo melhor a personalidade do personagem na sequência desse clássico moderno, rapidamente os jogadores simpatizaram com o soldado que virou um dos personagens mais icônicos da franquia ao lado de Capitão Price. Como é normal na saga, muitos personagens morrem, afinal se trata sempre de uma guerra ou conflitos violentos.

Porém, por conta da estrutura da missão que acaba por ceifar a vida de Soap, somos enganados direitinho, afinal se trata de um ponto da narrativa que envolve um plano para matar o vilão do game, o terrorista Makarov. Infelizmente tudo dá errado e Soap morre ao ser atingido por uma explosão massiva. Obviamente que isso nos motiva a procurar Makarov ainda com mais sangue nos olhos. For Soap!

Coringa em Batman: Arkham City

Sejamos honestos: ninguém esperava que Coringa fosse morrer logo no segundo game da franquia Arkham. Trazendo o personagem totalmente debilitado por conta do uso do variante de venom em Arkham Asylum, Coringa vai de mal a pior, mas ainda consegue arquitetar um plano quase perfeito para destruir Batman. Como o personagem é escrito de modo estupendo e ainda contando com a voz de Mark Hamill na dublagem, sua morte deixa o jogador totalmente incrédulo, afinal poucos escritores tem a ousadia de matar um personagem tão icônico.

O mais interessante é notar como a morte acaba impactando Batman no final do game, levando seu inimigo no colo até uma ambulância, o tratando com respeito apesar de toda a desgraça que o personagem causou em sua vida. Em Arkham Knight temos uma noção ainda melhor sobre a morte do vilão na vida de Batman que passa a alucinar a presença do Palhaço Príncipe do Crime ao seu lado a todo momento.

Booker DeWitt em Bioshock Infinite

Essa não será a primeira morte de protagonista de games que veremos nessa lista. O final de Bioshock Infinite realmente é bastante desafiador para ser compreendido logo de primeira, afinal envolve realidades paralelas e a interferência delas na temporalidade de outras. O choque de descobrirmos que somos, na verdade, o vilão do game: o inescrupuloso Zachary Comstock, é algo arrebatador.

Afinal, todo nosso esforço para derrotar o vilão, liberar Columbia e salvar Elizabeth recai no colo do próprio jogador. Toda a desgraça é responsabilidade do herói em uma de suas versões “renascidas”. Para impedir a tragédia, Booker aceita ser morto pelas diversas Elizabeths ao fim do game, suas próprias filhas. Inesquecível!

Emile em Valiant Hearts

Essa pequena pérola da Ubisoft pode não ter sido jogada por muita gente, mas lhe garanto que se trata um dos games mais emocionantes a já retratar os horrores da Primeira Guerra Mundial. Um dos personagens improváveis é o fazendeiro Emile que sempre está a procura de seu filho que acabou indo para o front de batalha para proteger a França. Quando recrutado para o exército e matar alguns inimigos, Emile se revolta e bate na cabeça de um superior com uma pá, o matando por acidente.

Nisso, Emile é acusado de traição e acaba fuzilado pelo próprio exército de sua nação. Impossível não ficar chateado com toda a situação injusta e moralmente questionável que atinge o fazendeiro que já havia se provado um herói em diversas situações anteriores.

Henry e Sam em The Last of Us

Essa também não será a última vez que veremos a obra-prima do PS3, The Last of Us, nessa lista. Ellie e Joel conhecem os irmãos Henry e Sam na metade do game, quando já estamos acostumados a ficar sozinhos em um mundo desolado e infestado por mortos-vivos. Como a primeira reação é a inevitável desconfiança, pouco a pouco acabamos nos afeiçoando pela nova dupla de personagens que se unem a Joel e Ellie de modo absoluto.

Porém, para encerrar o segundo ato em um momento chocante, descobrimos que o pequeno Sam acabou infectado após ser mordido. Acompanhamos seus últimos momentos de vida e logo depois vemos Henry se suicidar com um tiro na cabeça por não aguentar a morte do irmão. É algo que pega o jogador de surpresa pela velocidade dos acontecimentos e pelo corte seco no momento que Henry se mata. É traumatizante e desalentador, oferecendo um processo de luto esquisito para o jogador.

Roman Bellic em GTA IV

O primo gordinho de Niko Bellic é simplesmente uma das maiores figuras de GTA IV. Sendo uma das melhores narrativas já contadas na franquia, vemos como Roman adora a vida na América e sua paixão pelas pequenas coisas. Um otimista nato, mesmo que um tanto boboca. Como Niko é amparado e ajudado a todo momento por Roman, o jogador desenvolve uma boa relação com o personagem cômico.

De todos os que conhecemos na jornada, ele é o que menos merece a morte. Mesmo assim, Roman acaba assassinado logo depois de seu casamento, em frente a Niko. Se trata de uma crítica poderosa de danos colaterais em indivíduos que escolhem uma vida de crime e trapaças.

Colossi em Shadow of the Colossus

É uma dureza reconhecer a tragédia que abala Wander em sua jornada para devolver à vida para a garota que ama. É também difícil reconhecer que somos os vilões da história, principalmente ao final da aventura. A cada morte dos dezesseis colossos que matamos a sangue frio, o sentimento de culpa se agrava, afinal são criaturas únicas e formidáveis no mundo que não fazem mal a ninguém. O nível de violência dos jatos de sangue a cada estocada também chocam. É uma barbárie completa.

Aerith em Final Fantasy VII

Mesmo quem não jogou nenhum Final Fantasy sabe que Aerith morre na sétima iteração da franquia. Assassinada por Sephiroth, a doce personagem encontra seu trágico fim nada merecido. Uma verdadeira pena, pois essa morte em especial impactou fortemente os jogadores na época, além de emplacar o icônico tema de Aerith na cena de sua despedida final. Mesmo com os gráficos daquela época, a cena consegue emocionar os jogadores pela sua simplicidade.

Sarah em The Last of Us

Sim, todos sabíamos que Sarah estaria nessa lista e um lugar privilegiado, afinal não é brincadeira aguentar os primeiros minutos de The Last of Us que moldam quem Joel será praticamente no resto do jogo inteiro. Sua apresentação inesperada no início do game quando o caos começa a tomar o mundo já apresenta a dica principal que o destino da personagem não será nada agradável, afinal sempre víamos Ellie com Joel no material promocional do game até então.

O impacto da morte esperada de Sarah nos abala por conta da tragédia injusta que abate a menina bem em frente do próprio pai que reconhece todo seu fracasso em protegê-la. Joel desde o primeiro momento é herói fracassado e esse acontecimento nos ajuda a compreender porque reluta tanto em aceitar a missão de escolta com Ellie já que a primeira de sua vida se tornou seu maior pesadelo.

Lee Everett em The Walking Dead

The Walking Dead da Telltale é um game replete de situações verdadeiramente assustadores pelas viradas cruéis que vemos durante a jornada de Lee e Clementine em uma América infestada de mortos-vivos. Inesperadamente, durante o capítulo final, o protagonista Lee acaba infectado e logo a pequena Clementine é obrigada a tomar a decisão mais difícil de sua vida: matar seu “pai” ou simplesmente deixá-lo se transformar em um errante. Além do jogador ser confrontado com a escolha complexa, ficamos totalmente apreensivos sobre o futuro da menininha que é obrigada a seguir em frente totalmente sozinha em um mundo desolado.

John Marston em Red Dead Redemption

A jornada trágica do herói é adaptada em perfeição pela Rockstar com John Marston, icônico personagem do fabuloso game Red Dead Redemption. Tentando seguir em frente e abandonar a vida de crime, voltar para seu rancho, criar o filho e amar sua esposa, Marston passa por provações à ferro e fogo ao longo da história do jogo. Porém, quando finalmente conquista sua redenção e provar um pouco de uma vida sem violência, o personagem é traído e brutalmente assassinado.

Felizmente, a troca de protagonistas após a morte de Marston nos possibilita vingar essa alma injustiçada que somente conheceu a dor e sofrimento e toda sua vida.

Nessa geração ainda falta uma surpresa tão cruel quando experimentamos nas anteriores. Na sua opinião, qual foi a morte que mais te impactou em um game?