Rocky Balboa ou o astro de filmes de ação as vezes bons as vezes ruins, essas são as imagens que sempre familiarizaram Sylvester Stallone durante toda a sua carreira até hoje, o que infelizmente é apenas olhar para a superfície seus talentos, seja como ator mas também como diretor e roteirista. Um digno criador que sempre mostrou querer se inovar melhorar a cada um de seus filmes, e como ator sempre mostrou verdadeira dedicação em incorporar o coração, a humanidade e o universo no qual seus personagens habitam. Fosse ele interpretando um marginalizado das ruas ou o policial mais brucutu de todos os tempos que te chama de cocô, ele nunca desapontou em convencer suas icônicas performances.

E claro, essa lista vem para relembrar esses melhores momentos de Stallone, seja por trás ou em frente das câmeras, sempre provando seu enorme talento criativo como um verdadeiro artista a ser respeitado.

A Taberna do Inferno (1978)

Ao contrário da mera estrela de filme de ação que muitos o colocam hoje, Stallone mostrava aqui no seu debut como diretor uma paixão imaginativa de se fazer novamente a clássica história do “underdog” que já havia realizado com Rocky, mas agora dentro de um filme de época e dividindo protagonismo com um carismático elenco formado por Lee Canalito, Armand Assante e Tom Waits. Não fazendo apenas um mero Rocky de época, mas sim um digno drama familiar onde seus complexos personagens enfrentam os desafios de suas vidas cobertas de dificuldade, mas ainda cobertas de esperança. Com a narrativa tragicômica similar à um filme de Fellini como Os Boas Vidas, mas com a aura esperançosa de um filme de Chaplin, Taberna do Inferno é uma das pérolas da carreira de Stallone onde ele mostrava sua paixão de artista ambos como ator e diretor, mas que infelizmente foi esnobada até hoje.

F.I.S.T. (1978)

E quem disse que a saga/franquia Rocky foi o único épico que Stallone fez em sua carreira? Pelo menos escreveu e atuou em um aqui com F.I.S.T, um de seus dignos marcos de sua carreira. Não só sendo um drama de época muito decente em sua retração biográfica de Johny Kovak através de décadas de sua vida, mas que graças à ótima direção de Norman Jewison e ao rico elenco reunido sob o protagonismo penetrante de Stallone, o filme se torna um retrato histórico de uma América em ascensão política e social, carregando temas complexos de sobra debaixo do braço. E uma forte história de um homem que, embora bem romantizada, consegue despertar genuínas emoções graças à imensa dedicação de seu astro. Outra das esnobadas obras-primas da carreira de Stallone.

Cop Land: A Cidade dos Tiras (1997)

Quando um dos mais famosos astros de ação é colocado dentro de um elenco reunido por nomes como Robert De Niro, Harvey Keitel e Ray Liotta, você entende o grande respeito como ator que Stallone tem dentre seus criadores e que ele próprio busca provar, e esse grande filme de James Mangold lhe garante todos os ingredientes para isso. Um verdadeiro filme policial à moda antiga com todos os temas de moral e justiça que já pode se esperar do gênero, mas que habita dentro de si um verdadeiro Western moderno onde Stallone habita o papel clássico do xerife buscando fazer a verdadeira justiça em uma terra regida pela injustiça corrupta que agora terá que confrontar. Como um grande filme e atuações soberbas como essa não são melhores reconhecidas, nunca saberemos.

Rambo: Programado para Matar (1982)

Muito antes dessa se tornar a franquia que iria tornar Stallone em uma das mais icônicas imagens de estrela de ação testosterônica, tínhamos aqui no seu primeiro filme como o personagem Rambo algo que passava longe de ser um espetáculo de pura ação com seu herói principal enfrentando os inimigos da América, e sim mostrava ser um sombrio e trágico estudo de um personagem enfrentando o pós-guerra mental que lentamente está o levando para o caminho da discórdia e loucura. Onde as fantásticas cenas de ação de Ted Kotcheff se tornam uma luta de gato e rato pela sobrevivência, e o astuto roteiro  de Stallone lhe garante um de seus melhores momentos como ator, podendo mostrar tanto sua imensa dedicação física como também trazer tanta complexidade moral para um homem quebrado pelo país que ama. Assim como seu ator, Rambo: Programado para Matar é muito mais que um mero produto de ação.

Franquia Rocky (1976 – 2018)

O personagem e franquia que nos trouxe, construiu e se solidificou junto de Stallone durante toda sua carreira até hoje. Seu crescimento em alta, sua lenta recaída, e seu retorno em glória, cada um dos filmes, os bons e ruins, mostraram um pequeno capítulo da inspiradora história do icônico personagem que Rocky Balboa se tornou e onde podíamos ver o seu grande ator se modificando como artista, indo do ar clássico dos primeiros filmes, ao pop cultural dos anos 80 e se modernizando em estilo com os filmes de Creed que não seriam nada sem ele. Assim como o mundo não teria dado Stallone para o cinema se não fosse por Rocky, e só temos à agradecer por termos ambos!

Menção honrosa:

O Demolidor (1993)

De todos os filmes duelo astro vs astro que Stallone já fez parte, desde Stallone vs Kurt Russel em Tango & Cash e Stallone vs Antonio Banderas em Assassinos, com certeza nenhum conseguiu ser tão cheio de estilo e estupidamente divertido como em O Demolidor. Onde pudemos ver ambos Stallone e Wesley Snipes no seu auge e dividindo uma das rivalidades mais divertidas de mocinho vs vilão do gênero, e de sobra conseguiu mostrar ter surpreendentes traços temáticos sociais em seu criativo cenário futurista, mesmo que não faça nada de profundo com isso. Mas a principal diversão em ver os dois astros em um confronto digno de seu talento já vale todo o ingresso.

Faltou algum filme do Stallone que você ama por completo e acha que faltou aqui? Não deixe de nos dizer qual!

Comente!