em ,

Suzane von Richthofen processa produtora que fez filmes sobre sua história

Dirigidos por Maurício Eça, os longas “O menino que matou meu pais” e “A menina que matou os pais” chegariam aos cinemas no dia 2 de abril apresentando duas versões sobre crime que chocou o país no caso Von Richthofen.

Entretanto, agora a produção enfrentará uma nova complicação. A autora do crime, Suzane Von Richthofen, condenada a 39 anos de prisão, processou a produtora Santa Rita, responsável pelos filmes sobre o crime.

No processo, Suzane alegou que não houve sua autorização para os longas. O processo correu Comarca de Angatuba, em São Paulo, foi julgado improcedente pela juíza Larissa Gaspar Tunala e transitado em julgado.

Recentemente, a detenta também tentou proibir o livro “Suzane — Assassina e manipuladora”, de Ulisses Campbell. Venceu em duas instâncias. Mas o Supremo Tribunal Federal liberou a obra.

O que você achou desta publicação?

Avatar

Publicado por Matheus Fragata

Editor-geral do Bastidores, formado em Cinema seguindo o sonho de me tornar Diretor de Fotografia. Sou apaixonado por filmes desde que nasci, além de ser fã inveterado do cinema silencioso e do grande mestre Hitchcock. Acredito no cinema contemporâneo, tenho fé em remakes e reboots, aposto em David Fincher e me divirto com as bobagens hollywoodianas.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Loading…

0

Comente!

Chefe da HBO Max diz que Snyder Cut é uma vitória do consumidor

Pokémon ganha animação inspirada em Looney Tunes