Filmes de época sempre foram bem recebidos pelo público e pela crítica especializada. Não importa em qual período que ele é feito ou ambientado. Se bem produzido, com toda certeza terá muitos fãs e será cultuado. A maioria das produções acaba apelando para as cenas de batalha, outros apelam para a política, alguns acertam outros não.

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

A idade média é talvez o período com maior retratação e destaque no cinema de época. Filmes medievais são na maioria das vezes épicos, pois contam a trajetória heroica de algum personagem. Há muita coisa para ser mostrada pela sétima arte, por exemplo, uma versão mais atual de Alexander Nevsky seria bem vinda, assim como uma produção contando rigidamente o que foi a peste negra.

É um período muito mostrado, mas que ainda sempre dá para se fazer mais. E parece que nos tempos atuais de super-heróis os filmes medievais e suas batalhas grandiosas andam esquecidos. É uma pena! Estreou na quinta o filme do Rei Arthur: A Lenda da Espada e para isso resolvemos elaborar uma lista e lembrar das boas produções existentes sobre esse período tão complicado da história. 

10. Joana D’Arc de Luc Besson (1999)

Muitos foram as versões de Joana D’Arc para o cinema. Aqui poderia estar facilmente O Martírio de Joana D’Arc (1928), por exemplo, mas o que conta nessa produção de Luc Besson são as ótimas cenas de batalha e a caracterização de personagem feita  por Mila Jovovich (Apesar de Joana D’Arc ser ruiva). O longa exalta a heroína e guerreira que Joana foi e mostra todo o processo até chegar o dia em que morreu queimada viva no ano de 1431. Joana foi canonizada como santa pela igreja católica e hoje é a santa padroeira da França.

9. Arn – O Cavaleiro Templário (2007)

Arn – O Cavaleiro Templário é um filme um pouco desconhecido. Ele é ambientado durante o período das cruzadas em que cristãos lutavam contra muçulmanos na retomada de Constantinopla e Jerusalém. Arn Magnusson é um guerreiro templário que vive em uma região nórdica que viria a se tornar a Suécia, ele é enviado para participar da guerra santa como cruzado. Baseado na trilogia “As Cruzadas” do sueco Jon Guillou essa é a primeira produção e conta com uma continuação chamada Arn – O Reino ao Final da Jornada.

8. Cruzada (Versão do Diretor) (2005)

Dirigido por Ridley Scott a mega produção Cruzada foi lançado em um momento de instabilidade no Oriente Médio e assim como Arn apresenta os cruzados em busca de retomar Jerusalém, cidade havia sido tomada por Saladino. Há alguns furos históricos na trama, mas não deixa de ser uma boa produção com cenas de batalha muito bem orquestradas, além de uma direção de arte e figurino bem montada. O elenco talvez deixe um pouco a desejar com interpretações medianas.

7. Excalibur (1981)

Das várias histórias feitas sobre o mito do Rei Arthur essa deve provavelmente é a melhor de todas. Clavada em uma pedra pelo então Rei Uther Pendragon pouco antes de morrer é imposto que apenas quem for digno de a tirar de lá poderá governar a Inglaterra que no momento da morte do soberano fica sem comando. País vivia dividido por guerras e disputas até que o jovem Arthur, filho de Uther consegue a tirar de lá e dando assim origem ao mito. A partir daí unifica O Reino Unido, cria a távola redonda com os principais nobres com um código de ética e constrói a cidade de Camelot. É um filme essencial para quem quiser saber mais sobre o mito do Rei Arthur e sua espada Excalibur.

6. El Cid (1961)

Com Charlton Heston (Cid) e Sophia Loren (Jimena) no elenco conta a história do herói espanhol chamado de El Cid que foi importante ao unir os mouros e os católicos na luta contra Ben Yussuf. Cid está entre os maiores guerreiros medievais de sua época, mas antes de se aliar aos mouros ele havia os combatido e tomado várias cidades espanholas que estavam sobre controle deles. Ele morreu em seus castelo, diferente do que foi mostrado na produção em que ele aparece morrendo durante a batalha. Há outra longa de 64 sobre o guerreiro, mas essa versão de 61 é melhor. Ótimas cenas de batalhas, caracterização da época perfeita, além de contar com Charlton logo depois de ter estrelado Ben-Hur.

5. O Nome da Rosa (1986)

Jean-Jacques Annaud (Guerra do Fogo) é um diretor especializado em filmes de época. Como não poderia ser diferente em suas tramas bem trabalhadas é um filme com bom roteiro e apresenta uma visão diferente da época medieval. William de Baskerville (Sean Connery) é enviado para um monastério para investigar uma onda de assassinatos misteriosos que acontecem ali. Baseado no livro de mesmo nome de Umberto Eco O Nome da Rosa é um clássico que deve ser visto por todos que quiserem entender melhor o período. 

4. Henrique V (1989)

Versão melhor concebida que a versão original de Laurence Olivier (1944) sobre a vida do Rei inglês Henrique V, responsável por pacificar a Inglaterra dos conflitos internos que devastavam o país. É o primeiro longa dirigido por Kenneth Branagh (Thor) e é uma boa ambientação sobre os conflitos em seu reinado. Henrique V é um dos reis mais conhecidos da história inglesa por um feito em especial. Ele invadiu a França com um exército inferior e e venceu a batalha com o exército francês que era muito maior. Feito foi considerado um feito heroico. 

3. Trono Manchado de Sangue (1957)

Clássico de Akira Kurosawa sobre um samurai que encontra uma feiticeira e ela vidência que ele será o senhor do castelo do norte. E então que começa uma guerra sangrenta pelo poder. Trono Manchado.. é uma adaptação da obra Macbeth de William Shakeaspeare, mas ambientada na época do Japão feudal em que samurais lutavam pela honra e pelo poder. 

2. O Sétimo Selo (1957)

Clássico de Ingmar Bergman sobre os conflitos internos de um cavaleiro cruzado que retorna para casa vindo da guerra. Ele encontra a morte que o deseja levar com ela, mas ele pede uma partida de xadrez para decidir seu futuro. Caso perca vai junto, se ganhar fica. Ela aceita, já que nunca perdeu. Há outro filme do diretor sobre a época medieval, trata-se de A Fonte da Donzela, entre os dois esse é melhor por mostrar os conflitos do homem além de ser uma bela metáfora sobre os medos do fim do mundo. Para começar, o termo que dá nome ao longa “Sétimo Selo” vem de um livro bíblico com nome de Apocalipse, nele todos os selos caso abertos trazem problemas para a humanidade, apenas o sétimo é que traz de fato o fim do mundo. Dá para entender as preocupações de Bergman, na época a Europa acabava de sair da devastação da segunda guerra mundial e os traumas dela ainda imperavam no continente. 

1. Coração Valente (1995)

Quase todo filme de época de alguma forma tem uma imprecisão histórica. Isso não é diferente com Coração Valente. Mas não é isso que vai o tornar um filme ruim. Pelo contrário, é uma obra histórica muito bem ambientada na época em que William Walace entra em conflito contra o exército inglês pela independência da Escócia. Tudo começou com a morte de sua esposa por soldados ingleses. O que tem início por uma vingança acaba se tornando uma luta pela independência contra o Rei Eduardo I. Seu estilo era de guerrilha, atacava de todas maneiras os soldados ingleses, mas isso não foi o suficiente. Foi capturado e morto em praça pública. Dirigido e interpretado com excelência por Mel Gibson longa marcou época e até hoje é lembrado por todos como um dos melhores filmes medievais já feito.

Escrito por Gabriel Danius.

Comente!