A mitologia acerca de Conde Drácula vem assombrando gerações e, desde seu marcante surgimento no final do século XIX, o vampiro mais famoso de todos os tempos ganhou inúmeras releituras dentro da indústria do entretenimento contemporânea – viajando para o espaço em uma investida futurista, embebido em aspectos teatrais com o icônico Bela Lugosi e transformando-se num guerreiro secular em Drácula: A História Nunca Contada. Agora, chegou a vez da Netflix oferecer sua própria versão do ovacionado romance de Bram Stoker, optando por brincar com elementos de vulnerabilidade e força enquanto estende a narrativa principal através das eras e o traz para a conturbada sociedade atual.

O resultado, por mais satisfatório que seja (e mesmo se afastando de alguns aspectos canônicos do livro original), não está livre de certos erros amadores e escolhas estéticas que simplesmente não têm lugar dentro da proposta da gigante do streaming; é claro que, considerando que Mark Gatiss e Steven Moffat já haviam nos entregado a deliciosa e envolvente Sherlock, era mais que natural que se aproximassem de vertentes anacrônicas, almejando a um state-of-art sanguinolento ao invés de simplesmente deixarem se levar pelos comodismos de qualquer drama de época. Porém, não podemos deixar de notar que o ritmo da obra é frenético demais tanto para se aprofundar em seus personagens principais quanto para fornecer uma explicação plausível de tantos elementos.

De qualquer forma, a beleza da minissérie de três capítulos reside nas convincentes performances do elenco protagonista e coadjuvante e nos belíssimos e assustadores cenários que erguem-se imponentes a cada sequência. Logo de cara, somos transportados para a medonha Transilvânia e a chegada de Jonathan Harker (John Heffernan) ao imenso castelo do Conde Drácula (Claes Bang), um velho senhor romeno que vive isolado de todos na labiríntica construção no topo da montanha. Jonathan está ali para um trabalho simples: ele deve pedir para que seu cliente assine alguns papéis da propriedade que acabou de comprar e, depois, retornar para os braços de sua amada noiva Mina (Morfydd Clark), que o aguarda ansiosamente para o enlace matrimonial.

Gatiss e Moffat, que ficam a encargo do roteiro, dividem o episódio piloto em dois momentos diferentes: o primeiro nos mostra a decadência de Jonathan depois de ter conseguido escapar das garras do Conde; o segundo, voltando no tempo, nos mostra o processo de sua ruína ao deixar se levar por uma figura repleta de segredos e extremamente sedutora – o que explica em partes sua “decisão” de ficar encarcerado nas fortalezas mais tempo do que pretendia. E, ainda que respalde em quebras de expectativa incoerentes para desconstruir a tensa atmosfera que arquiteta desde os minutos iniciais, a tensão constante é inebriante e nos vicia do começo até o fim.

No tempo presente, Jonathan se exilou no Convento de Budapeste e passa os dias relatando o ocorrido para a irreverente freira Agatha Van Helsing (Dolly Wells), cujos estudos acerca de Drácula já datam de anos e, agora, ela finalmente encontrou o momento certo para atraí-lo para sua armadilha. Apesar da competente performance de Wells, a personagem de Agatha mantém-se numa tênue e complexa linha que oscila entre o drama e a comédia – com tiradas sem qualquer tipo de contexto para o tipo de suis-generis explorado. É claro que, levando em conta seu famoso sobrenome, ela insurge como fator essencial para a abertura da mitologia de Stoker, mas alcança uma estrutura mais sólida apenas na segunda iteração antes de se perder novamente no season finale.

As nuances do personagem titular são deixadas de lado em prol de uma mixórdia visual que poderia ser melhor elaborada – ainda mais considerando a extensa equipe ao lado dos showrunners. Entre bruscos cortes e uma edição fragmentada demais para ser compreendida de imediato, a série diverge de sua identidade apresentada para encontrar-se em uma espécie de suspense cru no segundo episódio, avançando para características de romances de mistério dentro de uma reviravolta blasé e previsível. Sem sombra de dúvida, e a revelação para o terceiro episódio que nos chama mais a atenção e que brinca com os conceitos de dilatação e contração temporal de modo inimaginavelmente sagaz.

Enquanto Drácula é retratado com costumeira canalhice e vilania – quando não é envolvido uma manta beligerante que dialoga com sua inspiração medieval -, Gattis e Moffat fazem questão de apresentarem dois lados de uma mesma moeda na produção: o vampiro é charmoso e amigável a princípio, revelando as verdadeiras intenções quando tem suas vítimas na palma da mão; porém, a resiliência que exala serve apenas de máscara para uma podridão interior que é também lar de seus medos, de uma covardia inexorável que estende-se para seus irracionais medos – da cruz e da luz do sol, por exemplo. Não é surpresa que Agatha (e sua consecutiva herdeira, Dra. Zoe) passem a vida estudando uma patológica necessidade de autoproteção que é a chave para sua ruína.

Drácula é envolvente e simpatizante dentro da proposta que visa entregar ao público, mas sumariza em excesso o arco de seu protagonista para talvez cumprir as necessidades mercadológicas nas quais se insere. Mesmo assim, a série da Netflix vai além do que poderíamos imaginar e prepara um terreno considerável para futuras produções originais – e que possam recontar clássicas histórias de terror dos séculos passados.

Drácula (Idem, Reino Unido – 2020)

Criado por: Mark Gatiss, Stephen Moffat
Direção: Jonny Campbell, Damon Thomas, Paul McGuigan
Roteiro: Mark Gatiss, Stephen Moffat
Elenco: Claes Bang, Dolly Wells, John Heffernan, Morfydd Clark, Joanna Scanlan, Lujza Richter, Jonathan Aris, Sacha Dhawan
Emissora: Netflix, BBC One
Episódios: 03
Gênero: Drama, Terror, Fantasia
Duração: 90 min.