Desde a compra da Lucasfilm pela Disney, uma pergunta que tem sido constante quando se trata de Star Wars é se determinado material é canônico ou não. Estamos falando de décadas de livros, quadrinhos e séries, que, de uma hora para a outra, deixaram de fazer parte do cânone oficial da franquia, o que pode afastar muita gente desses materiais. Ao mesmo tempo, tem sido criado o novo universo “oficial” da saga e a Disney realmente não tem deixado a bola cair, investindo em diversas mídias para se aproveitar desse novo renascimento de Star Wars.

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

O objetivo desse artigo é deixar claro o que é canônico e o que não é, além de oferecer dicas para aqueles que desejam conhecer a saga mais a fundo, tanto para aqueles que se importam com o que é “oficial” quanto para aqueles que estão em busca de boas histórias simplesmente. Evidente que nossa palavra não é lei e queremos que deixem suas sugestões de materiais para os novos fãs da saga, também! Basta comentar, abaixo, dizendo quais obras vocês acham imprescindíveis para os fãs desse universo.

O novo cânone

Via de regra, tudo o que foi lançado depois da compra da Lucasfilm pela Disney faz parte desse novo cânone, excetuando, claro, a parte “Lego” da franquia (por motivos óbvios). A primeira obra a ser lançada nesse novo esquema foi Darth MaulFilho de Dathomir, em maio de 2014 – a partir daí, todos os livros lançados são canônicos e todos os quadrinhos a partir de janeiro de 2015 (publicados pela Marvel, que retomou a licença da Dark Horse Comics, por ser do mesmo grupo da Disney) também. Outro indicativo de que determinada obra não faz parte desse cânone é o selo Legends, que aparece na parte superior das capas das obras, sendo consideradas lendas dentro dessa mitologia.

Mas é preciso lembrar que algumas das obras anteriores à compra também foram consideradas parte desse universo oficial. Essas são:

  • Todos os seis filmes.
  • O filme e a série The Clone Wars (2008). Não confundir com Clone Wars (2003), em animação tradicional, não mais canônica.

Até o presente momento, todas as obras publicadas desde a compra da Lucasfilm têm permanecido nos períodos específicos entre um filme e outro, geralmente fazendo a ponte ou narrando o que aconteceu com certos personagens nesses espaços de tempo. Como há um controle criativo maior em relação ao velho universo expandido, podemos dizer, sem medo de errar, que tais obras são tão importantes quanto os filmes em si, ainda que, claro, os longas tragam os eventos mais marcantes dessa galáxia muito, muito distante.

Por onde começar?

Não existe, obviamente, um ponto específico de início para aqueles que desejam conhecer mais a fundo o universo de Star Wars. Tudo vai muito do gosto pessoal de cada um – você deseja saber mais sobre o Império? Então obras como Tarkin são perfeitas para você. Quer saber o que aconteceu com os Jedi após A Vingança dos SithAhsoka, Um Novo Amanhecer e a mais recente HQ solo de Darth Vader são bons pontos de partida. Dito isso, sugeriremos, aqui, obras que dialogam mais diretamente com os filmes, para que o fã que está começando a desbravar esses novos mares não se sinta muito perdido.

Obras canônicas:

O pontapé inicial ideal é a série Star Wars RebelsEmbora seja feita, também, para o público infantil, presenciamos aqui o nascimento da Aliança Rebelde, em uma série feita para unir a trilogia prelúdio com a original, trazendo icônicos personagens de ambas, enquanto preenche alguns buracos deixados por George Lucas quando encerrou A Vingança dos Sith. Recomendo a leitura do já citado Um Novo Amanhecer, que foca nos personagens Kanan e Hera, parte do grupo principal de Rebels.

Partindo daí, o caminho mais óbvio seria a leitura dos livros Catalyst: A Rogue One Novel, que nos conta mais sobre Galen Erso, Krennic e a criação da Estrela da Morte, além de Tarkin, uma fascinante leitura que nos garante um olhar mais aprofundado sobre o Grão Moff e sua relação com Darth Vader. Ambos os livros são de autoria de James Luceno, que desenvolve sua trama basicamente através de diálogos muito bem escritos, com narrativas que nos distanciam dos Jedi, focando mais no funcionamento interno do Império, chegando até a nos mostrar, ainda que brevemente, Coruscant pós-queda da República.

Já se o leitor pretende descobrir mais sobre o destino dos Jedi e se todos morreram com a Ordem 66, então um bom caminho a ser seguido é a já mencionada HQ solo, iniciada em 2017, Darth Vader: Dark Lord of the Sith (ainda sem título oficial no Brasil). Essa se passa pouco tempo após o Episódio III e mostra como Vader conseguiu seu sabre de luz vermelho.

A partir daí, o fã já estará mais que acostumado com essa parcela do universo expandido. Que tal, então, pularmos para um diferente período? Os quadrinhos lançados pela Marvel desde 2015 são um ótimo caminho e se passam, em sua maioria, entre os Episódios IV e V, focando em personagens diferentes, como Darth Vader, Luke, Han, etc. Eventos importantes para a trilogia original acontecem aqui, como a descoberta, por parte de Vader, de que seu filho está vivo. Além disso, temos alguns momentos puramente fan service, como o arco A Queda de Vader, que nos mostra o Lorde dos Sith acabando com um exército inteiro de Rebeldes – se você se maravilhou com a icônica cena de Rogue One, esse arco é perfeito para você.

Ainda nas obras canônicas, podemos nos distanciar dos personagens pré-existentes e caminhar por história que ilustram o cenário galático por outro ponto de vista. Esse é o caso do livro Estrelas Perdidas, que mostra, do ponto de vista de imperiais, os eventos da trilogia original, indo até a Batalha de Jakku. Esse certamente é um dos melhores exemplares desse novo cânone e não deve ser deixado de lado por ninguém.

Já aqueles que querem saber o que aconteceu entre os Episódios VI e VII, o caminho perfeito a ser seguido é a linha de publicações Jornada para O Despertar da Força, que engloba livros e quadrinhos, como a trilogia AftermathImpério Despedaçado. Essa linha editorial nos conta sobre as origens da Primeira Ordem, a Resistência, além de mostrar o que aconteceu com alguns personagens clássicos. Evidente que o passado de Rey e outros da nova trilogia são pontos que serão abordados nos filmes, ainda que essas obras do universo expandido nos deem algumas dicas, capazes de fomentar teorias e mais teorias por parte dos fãs.

Obras com o selo Legends:

Aqui a coisa começa a ficar mais divertida, pois não ficamos presos aos eventos dos filmes principais da saga. O primeiro passo a ser dado é até bastante óbvio: a Trilogia Thrawn, de Timothy Zahn. Esta é, sem dúvidas, a obra mais importante do Universo Expandido, que ajudou a definir como o universo de Star Wars seria trabalhado nessas publicações extras. Os três livros foram adaptados em quadrinhos pela Dark Horse Comics e de forma bastante fiel e que não deve nada aos livros. Portanto, não tenha medo de escolher a mídia preferida.

Após a leitura desses três romances, o caminho mais óbvio é continuar com Império Negro, que continua a trabalhar a queda do Império, algum tempo após a Batalha de Endor em O Retorno de Jedi. O mesmo vale para Império Vermelho, que também faz referência aos eventos dessas duas obras citadas aqui. Todas foram republicadas recentemente no Brasil, a Trilogia Thrawn pela editora Aleph e as duas minisséries em quadrinhos pela editora Planeta DeAgostini.

Agora vamos recuar um pouco e contemplar o final de A Vingança dos Sith e os anos que se passam entre os eventos desse filme e Uma Nova Esperança. Para saber mais sobre o fim das Guerras Clônicas e a caçada aos Jedi, o volume 9 da série em quadrinhos Clone WarsEndgame, é uma boa pedida, chegando a nos mostrar Vader caçando os Jedi remanescentes. Não se preocupem, pois a leitura dos outros volumes não é imprescindível, o que vemos aqui pinta um retrato muito mais sombrio do que o Episódio III conseguiu fazer, trata-se de uma obra de peso, que merece ser lida. O mesmo vale para Darth Vader e a Prisão Fantasma, uma curta minissérie, em cinco edições, que aborda a transição de Anakin para o Vader que conhecemos, mesmo com ele usando a armadura negra o tempo todo.

Isso tudo, porém, é apenas o ritual de iniciação e agora podemos viajar anos e anos no passado, explorando histórias que rivalizam a Trilogia Original em termos de qualidade. Refiro-me, claro a Knights of the Old Republic e sua continuação, dois games, atualmente disponíveis para PC e o primeiro, também, para dispositivos móveis. Passados aproximadamente 4000 anos antes da ascensão do Império, estamos falando de uma galáxia completamente diferente, na qual os Sith ainda existem em peso, assim como os Jedi. Exploramos novos planetas e descobrimos mais sobre a origem da viagem no hiperespaço, dentre outras questões. O mmorpg, The Old Republic, funciona como uma espécie de continuação desses dois jogos e suas missões principais podem ser aproveitadas sem a necessidade do jogador caminhar pelos lados do mmo em si, aproveitando tudo como se fosse um game em single-player.

Ainda bastante no passado, podemos enveredar por histórias que nos contam a origem dos Jedi e dos Sith, lendo os quadrinhos Alvorecer dos Jedi e Contos Jedi, ambos buscam nos contar o início do conflito entre o Lado Negro e o da Luz, mostrando como os Jedi que conhecemos nos filmes se tornaram dessa maneira. Dito isso, tais obras requerem um pouco mais de conhecimento do restante da mitologia de Star Wars e podem deixar o leitor perdido no início.

Avançando um pouco os anos, podemos explorar outros lados desse universo. Para aqueles que desejam saber mais sobre os Sith como eles são apresentados em A Ameaça Fantasma em diante, os livros sobre Darth Bane (atualmente sendo publicados no Brasil), exploram a, aparentemente confusa, regra sobre somente existirem dois Sith por vez: o mestre e o aprendiz. Bane reestruturou toda a ordem Sith e, mesmo não sendo considerado canônico, podemos, através dessa leitura, entender mais sobre como tudo isso funciona. O mesmo vale para Darth Plagueis, que lida mais a fundo com a profecia do escolhido, o treinamento de Palpatine e mais, nos contando em detalhes como ele se tornou o Darth Sidious que conhecemos – esse é o romance que nos traz a história que ele conta para Anakin na cena da ópera em A Vingança dos Sith.

Obras fora da cronologia

Passamos brevemente pelas muitas obras que contemplam diferentes épocas do universo Star Wars, mas ainda existem aquelas que não fazem parte de qualquer cronologia, canônica ou não. Essas nos oferecem um olhar sobre os roteiros originais escritos por George Lucas, como é o caso de A Guerra nas Estrelas (The Star Wars), quadrinhos que adaptam as primeiras versões do roteiro de Uma Nova Esperança. Ainda que esteja longe de ser um material de qualidade, é uma obra fascinante para enxergarmos o processo criativo por trás do filme original e como isso passou por profundas mudanças até chegar no longa-metragem que conhecemos.

Se quisermos ir mais fundo ainda podemos ouvir as dramatizações radiofônicas da Trilogia Original, cada uma com uma série de novos acontecimentos tirados de versões anteriores dos roteiros de Lucas. Aqui vemos, por exemplo, Luke quase indo para a Academia Imperial (algo que somente é mencionado em Uma Nova Esperança), trazendo ainda mais profundidade para os longas-metragens, por mais que esses programas de rádio não sejam mais considerados oficiais. Na adaptação de O Retorno de Jedi, elementos do universo expandido – canônico à época – também foram adicionados.

A minissérie da Dark Horse ComicsInfinities, por sua vez, é uma espécie de “O que aconteceria se”, trazendo-nos versões alternativas dos filmes da trilogia original, como realidades paralelas. É a obra perfeita para aqueles que gostam de teorizar sobre uma possível queda de um dos personagens para o lado negro, ou o que aconteceria se determinadas situações não tivessem o resultado almejado pelos personagens principais.

Como dito antes, não há um lugar específico por onde começar, mas existem diversos caminhos a serem seguidos. A dica é: leia sobre aquilo que deseja conhecer mais, seja sobre o Império, ou a origem dos Jedi. Não tenha medo de explorar esse universo expandido, por mais que boa parte dele não seja mais parte do cânone oficial. Vale lembrar que a experiência de Star Wars, como a de qualquer obra, é moldada pelas nossas mentes, então recomendo não se ater apenas ao que foi lançado pela Disney, afinal, no futuro, não sabemos como isso tudo irá continuar.

Espero que isso tenha ajudado aqueles que estão indecisos sobre o que ler e, se tiverem alguma sugestão, por favor as deixem nos comentários abaixo. Aqui somos todos fãs de Star Wars.

Comente!