Cápsulas do tempo são um verdadeiro barato. A ideia de reunir coisas pessoais em um determinado ano, enterrá-las e depois desenterrá-las anos depois é simplesmente genial. 

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

Apesar de não termos essa tradição no Brasil, nos EUA é um ritual bastante comum. Dessa vez, uma nova cápsula de um ano nem tão distante assim foi aberta na Universidade de Shenandoah de Winchester, na Virgínia. A turma que enterrou a cápsula em 1993 tinha a intenção dela ser aberta em 2018, ainda que o ano estivesse entre aspas seja lá por qual motivo fosse. 

Com pouca proteção, a caixa acabou danificada pela água, mas o conteúdo que estava dentro foi protegido, felizmente. Isso ocorre porque poucos estudantes pensam em vedar a caixa e torná-la à prova d’água. A água das chuvas que infiltra a terra acaba chegando na caixa e pode transformar boa parte dos itens em uma papa impossível de identificar. 

O mais curioso é que nessa cápsula, as pessoas foram bastante criativas nos itens que enterraram, trazendo itens nada convencionais aos anos 1990. Nela, é possível ver um dinossauro de brinquedo, uma chupeta, fotos, poemas, troféus, um ursinho Pooh e até mesmo um LP dos Beatles.

Confira o vídeo:

Comente!