» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

É possível dizer que poucas obras na história da televisão são tão herméticas quanto Mr. Robot. Além de possuir uma trama extremamente intrincada e demandar atenção redobrada dos espectadores, a série consegue subverter expectativas e deixar os fãs desarmados, sem saber o que esperar. Esse nono episódio, de estrutura temporal fragmentada e destoante do anterior, é um comprovação disso. Temos uma cena de abertura mais ordinária, que se passa antes de vermos Elliot pela primeira vez e serve apenas para indicar padrões de comportamento que já vimos antes e veremos durante o episódio. Passando a vinheta, somos jogados no tempo presente onde Elliot (Rami Malek) percebe que acabou de ter um lapso de tempo e que Mr. Robot (Christian Slater) pode ter descoberto suas intenções para com o DarkArmy.

Se no capítulo anterior tínhamos os holofotes sobre Elliot e a narrativa avançava de forma compassada, seguindo o ritmo das emoções do nosso introspectivo protagonista, este novo episódio começa com ele perdido em frente a um espelho e com uma estranha mensagem escrita nele. Seguimos então com imagens intercaladas de Elliot e outros personagens, no presente, e Mr. Robot no tempo correspondente ao tal lapso temporal.

Na reta final dessa temporada, as peças começam a desempenhar seus respectivos papéis de forma similar a um tabuleiro de xadrez e, assim como no jogo, é necessário que os personagens definam claramente seus lados. Nesse cenário, Tyrell (Martin Wallström) possui potencial para ser um importante aliado nos esforços contra as forças de Whiterose (BD Wong). Ao voltar pra casa e encontrá-la vazia, resultado de todo o caos do qual é parcialmente culpado, o personagem também se vê ideologicamente vazio, sem possuir uma função a exercer no mundo. A interação quase imediata com Mr. Robot e Phillip Price (Michael Cristofer) é providencial, pois possibilita o executivo de contribuir para o plano de vingança contra o DarkArmy, além de receber o cargo de CTO da E-Corp, algo que não mais apresenta tamanha influencia sobre o personagem, indicando uma mudança em seu cerne. É somente através de Tyrell que Mr. Robot descobre a existência de um aliado de Whiterose infiltrado no FBI.

Aliás, é Phillip Price quem proporciona o melhor momento do episódio. Após reduzir Tyrell a nada, volta suas atenções para Mr. Robot e reforça o que o mesmo já sabia: a tão alardeada revolução só aconteceu pois homens como Price assim almejavam. Isso enfraquece a confiança da contra-parte de Elliot em sua habilidade de liderar e o faz repensar sua estratégia.

Seguindo as ações de Elliot pós-lapso temporal, o vemos trabalhando junto com Darlene (Carly Chaikin) para invadir o servidor do FBI e acessar os dados que podem reverter os efeitos do atentado de 5/9. O protagonista também possui um plano para acabar com o DarkArmy de dentro, mascarando suas intenções reais sob o pretexto de um “estágio 3” e contando com a meticulosidade e ganância de Whiterose para alcançar os objetivos. Elliot está bastante confiante e acredita possuir uma vantagem irreversível sobre seus inimigos.

Enquanto o irmão se foca em lidar com as forças de Whiterose, Darlene se envolve romanticamente com a agente DiPierro (Grace Gummer), visando encontrar uma maneira de invadir os servidores do FBI e recuperar os dados que podem desfazer todo o caos atual. Ao ser surpreendida pela agente federal e levada a prestar esclarecimentos sobre seus atos, a irmã do protagonista revela, na presença do agente Santiago (Omar Metwally), leal ao DarkArmy, que é possível recuperar os dados da E-Corp e que o FBI está comprometido por infiltrados do grupo terrorista. A forma como Santiago reage a pressão imposta por DiPierro a faz suspeitar de seus reais interesses. No atual estado das coisas, não surpreenderia se Elliot já esperasse que a irmã fosse presa, inclusive contando com isso.

A possibilidade da existência de uma terceira etapa do plano faz com que o DarkArmy procure Elliot, que age como controlasse as movimentações de todas as peças do tabuleiro, e portanto o resultado final do jogo. O protagonista demonstra uma confiança raramente vista antes na série, resultado de todo o turbilhão de emoções do episódio passado. Ao término do episódio, vemos Elliot acreditando controlar o DarkArmy por dominar seus servidores, algo que certamente impactará Mr. Robot e que pode finalmente unir os dois em um luta contra um inimigo em comum. É inegável que o plano de Elliot lhe coloca em clara vantagem sobre as forças de Whiterose, mas também o coloca em perigo. Isso obriga o personagem a estar extremamente alerta e torna a existência de Mr. Robot mais importante que nunca.

Mr. Robot – 3X09: Eps.3.8_stage3.torrent — EUA, 6 de dezembro de 2017

Showrunner: Sam Esmail
Diretor: Sam Esmail
Roteiro: Sam Esmail
Elenco: Rami Malek, Christian Slater, Portia Doubleday, Carly Chaikin, Martin Wallström, Michael Cristofer, Grace Gummer, Ben Rappaport, BD Wong
Duração: 49 min (cada episódio)

Comente!