em ,

Bilheteria | Verão norte-americano é o mais fraco desde 2006

Hollywood não está rendendo tanto quanto gostaria. Com uma queda de 11% em relação ao ano passado, a bilheteria dos cinemas norte-americanos está amargando o pior resultado desde 2006. A previsão é que esse período termine com 15% menos vendas de ingressos.

Segundo dados da BoxOffice Media, a soma de todos os longas fica em US$ 3,74 bilhões, uma queda até agora de 5,7% em relação a 2016. A situação está tão crítica que somente o mês de agosto representou um tombo de 34% (ano passado, nesse período, tivemos o lançamento de Esquadrão Suicida). Já o mês de julho, considerado o mais forte dentro do verão norte-americano, teve uma queda de 12%.

Entre os motivos, temos a baixa arrecadação dos novos longas de franquias como Piratas do Caribe e Transformers, além de longas como Baywatch (Paramount) e A Múmia (Universal), que tiveram resultados considerados muito abaixo do previsto. A comédia, por exemplo, somou apenas US$ 58 milhões nos Estados Unidos para um orçamento de US$ 69 milhões. O filme de ação e terror com Tom Cruise, por sua vez, arrecadou US$ 80 milhões em território doméstico, para um orçamento de US$ 125 milhões.

A Múmia, com Tom Cruise, rendeu apenas US$ 80 milhões nos EUA. Bem abaixo do orçamento de US$ 125 milhões.

Até agora, os filmes com melhor desempenho do ano foram Logan, Mulher-Maravilha, Homem-Aranha: De Volta ao Lar Guardiões da Galáxia Vol. 2. Vale destacar que a situação já gera resultados no mercado de ações dos estúdios de cinema hollywoodianos, mas a situação ainda pode melhorar para estabilizar o ano de 2017.

Pela frente, temos os lançamentos de Blade Runner 2049, Thor 3: Ragnarok, Liga da Justiça e Star Wars: Os Últimos Jedi. Será que recupera esse prejuízo?

O que você achou desta publicação?

Publicado por Redação Bastidores

Perfil oficial da redação do site.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Blade: A Lâmina do Imortal | Live-Action recebe novo trailer sangrento

Gorillaz | Show no Brasil é confirmado