em , ,

Crítica | O Poço – Um Convite Explícito à Selvageria

O gênero distópico sempre teve um lugar especial na literatura e nas telonas – principalmente no tocante à inclinação crítica. A criação de mundos que passaram por grandes reviravoltas e que encontraram um modo complexo e problemático de resolver seus problemas data desde o surgimento da arte fílmica, ganhando impulso com a emergência do cinema falado e novos capítulos na contemporaneidade. Desde adaptações como 1984 e Admirável Mundo Novo até releituras de V de Vingança e Jogos Vorazes, as narrativas normalmente trazem personagens comuns para o primeiro plano e os colocam em um arco de reflexão que quebra paradigmas e que acende uma faísca que urge por mudança – e, com frequência, por justiça.

Seguindo a estética e a preferência supracitadas, a Netflix investiu em mais um longa-metragem original intitulado O Poço, que incrementa o suis-generis com aspectos do thriller, do suspense e gore. Ambientada em uma prisão vertical com centenas de andares, o enredo gira em torno de Goreng (Iván Massagué), um homem que acorda numa cela cúbica ao lado de Trimagasi (Zorion Eguileor), um detento veterano que já está lá há dez meses e que tenta explicar (do modo mais cínico e mais árduo possível) como aquele lugar funciona. A cada trinta dias, uma dupla de prisioneiros é destinado a um dos andares e, para sobreviverem, só podem comer os restos da comida devorada pelos níveis superiores. Logo de cara, Trimagasi deixa bem claro que o lugar onde se encontram (a 48ª cela) é consideravelmente agradável, visto que podem se alimentar o suficiente para sobreviverem. Os problemas (e a verdadeira face de todos) vêm à tona quando, no mês seguinte, acordam no nível 171.

É um fato dizer que a soma de todos os fatores da produção é bem mais positiva pelas metáforas que induz com simulacros da realidade e por gentis inclinações a simbologias escondidas. A história, por si só, expande-se em um competente suspense que perdura os pouco mais de 90 minutos e nos envolve do começo ao fim – isso é, até o rechaçável grand finale que resolve não amarrar as pontas e transformar o protagonista num mártir messiânico sem consolidar o lado empático de sua personalidade. Na verdade, é-nos revelado que Goreng erroneamente escolheu ser trancafiado no Poço para “parar de fumar” ou algo assim, até descobrir, tarde demais, que não deveria jamais ter pensado nisso. Afinal, ele é atacado por um psicótico Trimagasi, tenta salvar uma perigosa e lunática assassina chamada Miharu (Alexandra Masangkay) e observa impotente enquanto alguns “colegas” se jogam no infindável buraco para acabarem com sua miséria.

As coisas começam a mudar de figura quando, depois do espetacular assassinato de seu algoz, o protagonista é transferido para o 33º nível e divide a cela com Imoguiri (Antonia San Juan), ex-funcionária que também resolveu entrar na prisão para se livrar de seus pecados e trazer um pouco de sensatez a bárbaros desumanos que não se importam com ninguém além de si mesmos. É Imoguiri, em sua conturbada autorrealização, que tenta em vão convencer as outras pessoas a comerem apenas o necessário e permitir que a plataforma de comida chegue com alimento o suficiente para os dos níveis mais baixos. Eventualmente, Goreng decide destruir o mecanismo de dentro para fora, aliando-se com Baharat (Emilio Buale Cokan) para racionar comida e permitir que todos comam.

Apesar dos claros deslizes, o filme constrói-se com uma estética impecável que transcende as expectativas da audiência e transforma claustrofóbicos quartos em uma imensidão de culpa internalizada e loucura, cortesia do diretor Galder Gaztelu-Urrutia. À medida que busca uma identidade própria, nutre suas habilidades de outros thrillers intimistas como O Quarto do Pânico e Jogos Mortais para analisar, ainda que na superfície, o retorno do ser humano à condição de selvageria e de impotência frente a um obstáculo invisível e amedrontar: a fome. O grande deslize, entretanto, isola-se no início do terceiro ato, que ergue-se num pedantismo épico sem sentido e acaba jogando todas as incríveis sutilezas no lixo em prol de uma presunçosa e infeliz resolução que não alcança a catarse à qual se propõe nem a crítica que explora nos blocos anteriores.

Na verdade, as próprias alegorias trazidas pela equipe criativa premeditam o que se pode esperar das reviravoltas: cada um dos prisioneiros pode trazer consigo um objeto qualquer; Goreng escolhe o clássico romance Dom Quixote, de Miguel de Cervantes, mas não à toa: tanto a trama do livro quanto a do filme discorrem sobre a necessidade do sacrifício e da morte, e caminham para um final que nunca resolve as questões levantadas, fazendo com que nos perguntemos se realmente absorvemos tudo o que foi apresentado. Mesmo os nomes dos personagens principais e coadjuvantes não foi escolhido ao acaso; pelo contrário, trouxeram significados mais profundos que explicam partes dos arcos e ações a priori incompreensíveis.

O Poço é uma interessante adição ao catálogo da plataforma de streaming – e um convite à reflexão de extrema importância nos dias de hoje, almejando a tópicos de discussão como empatia e comunhão. Apesar da agridoce decisão do roteiro em mudar o curso principal, somos envoltos em uma névoa de tensão que nos impede de desviar os olhos por sequer um segundo (inclusive nas cenas mais explícitas).

O Poço (El Hoyo – Espanha, 2020)

Direção: Galder Gaztelu-Urrutia
Roteiro: David Desola, Pedro Rivero
Elenco: Iván Massagué, Zorion Eguileor, Alexandra Masangkay, Antonia San Juan, Emilio Buale Cokan
Duração: 96 min.

O que você achou desta publicação?

Avatar

Publicado por Thiago Nolla

Thiago Nolla faz um pouco de tudo: é ator, escritor, dançarino e faz audiovisual por ter uma paixão indescritível pela arte. É um inveterado fã de contos de fadas e histórias de suspense e tem como maiores inspirações a estética expressionista de Fritz Lang e a narrativa dinâmica de Aaron Sorkin. Um de seus maiores sonhos é interpretar o Gênio da Lâmpada de Aladdin no musical da Broadway.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Loading…

0

Comente!

Cinebiografia de Aretha Franklin tem estreia adiada

Killing Eve terá seu primeiro episódio exibido pela Globo no lugar do Fora de Hora