Salve leitores, como vocês estão? Outro dia estava dando banho no meu cachorro e ouvindo Marília Mendonça quando me dei conta de que as suas músicas se encaixam e são cantadas pela mesma pessoa. Obviamente não me refiro à cantora, mas ao eu-lírico. Ou seja, temos uma personagem, que chamarei de Mari, que teve toda uma sequência de acontecimentos dentro das histórias da música de Marília Mendonça. O resumo é o seguinte:

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

– Mari namora o 1º cara. Vou chamá-lo de Antônio.

– Mari termina com Antônio.

– Mari namora com 2º cara, Bruno.

– Mari termina com Bruno.

– Mari namora e acaba bem rápido com Carlos

– Mari vira amante de Antônio

– Mari reata o namoro com Antônio

Os detalhes de como aconteceu essa história serão dados a partir de agora em ordem cronológica das músicas.  Mas não detalharei toda a letra de todas as músicas, mas sim serão os trechos mais relevantes.

0) O pré-requisito

Aqui não é uma música, mas apenas queria registrar que não existe uma música onde mostra o momento que ela começou o namoro com Antônio, mas sabemos que ela namorou ele por um longo período, e será justificado na frente. Baseado nisso, começamos então com a primeira música.

1) Infiel

Mari namorou Antônio por um longo período de tempo, e descobriu que ele a traía. Ela conviveu com isso por um longo período, até que finalmente se cansa e diz “descobri faz um ano e tô te procurando pra dizer: hoje a farsa vai acabar”. Faz um ano que ela descobriu. Está explicado que eles tiveram um relacionamento muito longo.  Fiquem à vontade para estudar a letra inteira. E como já sabemos pela letra completa, ela estava falando com a amante para desejá-la sorte, pois não seria fácil lidar com Antônio

2) Alô Porteiro

Após descobrir a traição, Mari então diz “pegue suas coisas que estão aqui, nesse apartamento você não entra mais. Olha o que você fez, você foi me trair. Agora arrependido, quer voltar atrás”. Antônio tenta voltar o namoro querendo o perdão, mas Marília não perdoa e ainda pega o interfone para falar “alô porteiro, tô ligando pra te avisar, a partir de agora eu tô solteira. Já me cansei da brincadeira. Chame o táxi que ele vai pagar”, “esse homem que está aí, ele não pode mais subir, tá proibido de entrar”. Ou seja, ela expulsou o cara da casa definitivamente. Basicamente “Alô Porteiro” e “Infiel” são duas músicas do mesmo momento, mas o choque foi tão grande por ter sido o primeiro amor de Mari que uma música não foi o suficiente para falar do coração partido. Sei que a música é originalmente de Tayrone Cigano, mas ela se encaixa perfeitamente aqui, mas a explicação é que o eu-lírico de Tayrone é o Antônio. Entretanto, isso já escapa de nossa protagonista Mari, então não aprofundarei-me nisso.

3) Esse cara aqui do lado

Marília está ficando agora com o Bruno por um tempo, mas está insegura dele ser um cara fidedigno. Ele não tem culpa dos erros do Antônio, mas ela está achando que é uma armadilha se apaixonar e namorar com ele. Então ela começa a ter conflitos internos em sua própria mente. Nessa música, não há interação nenhuma, apenas de Mari consigo mesma. “Ando meio chateada por que tenho descontado em alguém que não tem nada a ver”, “Ele até tá se esforçando, eu também estou tentando acreditar nos seus carinhos….Mesmo estando acompanhada, tô me sentindo sozinha”, “Esse cara aqui do lado não tem culpa dos seus erros……Mas não vou cair outra vez, se eu já sei que no final é sempre igual. Ele vai fazer o que você já fez” (nesse caso, você = Antônio).

4) Quatro E Quinze

Um tempo passa e o Antônio decide voltar a ligar, onde Mari atende e fala “quatro e quinze, diz que eu tô sumida. Eu respondi: pois é”, “aqui tá tá tudo bem. Tô do mesmo jeito, com os mesmos defeitos, a diferença é que alguém me aceitou do jeito que eu sou”, “eu já sabia que seu lance ia acabar, o que começa errado nunca vai durar”. Ela joga duro com o Antônio e revela que ela deu início ao namoro com o Bruno. Ela não cedeu, apesar de seus conflitos que vimos em “Esse cara aqui do lado”. “Nunca deu certo dividir amor pra três. Se foi tão bom por que não quis continuar? Não tá na hora de me ligar. Desculpa mas eu vou desligar”. Muito auto-explicativo.

5) Me Desculpe Mas Eu Sou Fiel

O Antônio não parece muito feliz e quer voltar com Mari, mas ela está agora com o Bruno “palavras doces num pedaço de papel. Sinto muito, me desculpe mas eu sou fiel”, “Você nunca acreditou no meu amor, e eu calada aceitava suas traições” (até ela decidir acabar, claro). “Esqueça o o meu rosto, e o meu telefone…..Meu corpo, alma e coração já é de outro homem”. Claramente vemos que ela não vai voltar com Antônio por agora pois está satisfeita com o Bruno.

6) Saudade Do Meu Ex

Neste momento Mari começa a sentir falta do ex dela (Antônio) e vê que o Bruno não é lá essas coisas para ela. Mari está com uma vida muito parada e metódica porque Bruno não gostava muito que ela saísse pra beber e tampouco gostava de álcool, ao contrário do Antônio que bebia junto com Mari. “Aonde eu tava com a cabeça, quando eu fui me meter com essa pessoa tão sem graça, esse menino nada a ver”, “Eu bebia todo dia, hoje mal posso sair…..Terminei com o parceiro que virava o copo, vivia comigo do jeito que eu gosto. Ele que era homem de verdade. Ai que saudade do meu ex”. E não bastando isso, ela decide sair pra beber mesmo com o Bruno não gostando dessa atitude, para forçar ele a acabar o namoro. “Se quer saber, hoje eu vou beber de novo, vou voltar pra casa louca pra você largar de mim”.

7) Eu Sei De Cor

Essa música também é algo da mente de Mari apenas. Ela começa a se cansar da encheção de saco do Bruno sobre as saídas de Mari para beber. E ela começa a prever o que o Bruno fará, e em consequência, ele deixará de ser importante. “É, já tá ficando chato né? A encheção de saco, pois é. Prepara que eu já tô me preparando” (preparando para terminar a relação). “Deixa, deixa mesmo de ser importante. Vai deixando a gente pra outra hora. E quando se der conta, já passou. Quando olhar pra trás, já fui embora”.

8) O Que é Amor Pra Você

Essa música mostra o começo de uma DR entre Marília e Bruno. Devido à vida monótona mostrada em “Saudade Do Meu Ex”, ela começa a desabafar e desconfia se ele realmente a ama, pois ele apenas busca uns momentos de prazer (aparentemente poucos). Se ele não quer viver com ela, “então me diz o que é amor pra você”. “Nunca pensei que o fim seria assim tão perto, mas pra seguir sendo sincero, já esperei demais” (esperou demais pra ver se ele mudaria o jeito de ser). “Eu tentei ser na sua vida alguém raro, mas o certo pra você tá errado. Eu fiz tudo que você pediu pra fazer” (que foi ser a metódica caseira mostrada em “Saudade do meu ex”).

9) Entre Nossas Brigas

Mari começa a desabafar com Bruno “tô sofrendo e fazendo você sofrer. O que a gente tá vivendo não tem nada a ver, é melhor cada um seguir seu caminho”. Vimos que Marilia percebeu que ela e Bruno são pessoas muito diferentes um do outro, com objetivos distintos, como vimos  nas músicas 6 e 7. “Não vejo outra saída pra essas nossas brigas. Melhor é dar um tempo, pra que sofrimento? Segue a sua vida. Eu sou seguir a minha, seguir o meu destino”. Mas ela não pega tão duro com ele, pois apenas eram muito diferentes um do outro, mas ele era fiel à ela (ou pelo menos ela não descobriu nenhum caso dele com outra, igual foi com Antônio). E é aqui que ela acaba o relacionamento dela com o Bruno.

10) Folgado

Aqui percebemos que ela começou um namoro horrível com quem intitulamos de Carlos. E aqui mesmo ela acaba esse namoro. “Não venha não, eu vivo do jeito que eu quero, não pedi opinião”. Percebe-se claramente que ela não vai mais abrir mão de quem ela quer ser pra agradar homem nenhum. E esse cara era extremamente folgado. “Deitou na minha cama e quer dormir de travesseiro. Folgado”. “Tô vendo que se continuar assim, tu vai morrer solteiro”. Não se sabe como, mas ele não demonstra ser um bom namorado. “Eu nunca tive lei, e nem horário pra sair nem pra voltar. Se lembra que eu mandei você acostumar. Tô te mandando embora, melhor sair agora. Não vem me controlar. Folgado, maldita hora que eu chamei você de namorado, imagina se a gente tivesse casado…”. Na verdade tenho uma certa dúvida se o Carlos era péssimo ou se ela ficou com trauma do Bruno a ponto de repudiar Antônio por ter uma linha de pensamento parecida com Bruno. Mas acho que a próxima música tira essa dúvida.

11) Meu Cupido É Gari

Essa é um momento de ódio de Marília com o Carlos, mas também é um desabafo que ela faz e acaba sobrando pra ele. Então ela começa a culpar seu cupido por apenas lhe trazer péssimos homens, sendo Carlos a última prova irrefutável disso. “O meu cupido é gari, só me traz lixo. Lixo, lixo, você é a prova disso”. “Cupido amador, uma decepção. Me trouxe um amor encomendado do lixão”. “Não me tratou bem, não me deu valor, será que eu mereço esse tipo de amor?”. E esse último trecho mostra a dúvida que fiquei na música anterior sobre o Carlos ter sido péssimo mesmo ou se foi trauma. Acho que ele foi péssimo mesmo.

12) Silêncio

Lembram que ela está com saudades do ex? (o Antônio). Bem, após o Carlos, ela procura Antônio de novo, mas que está com outra (onde será explicado mais adiante). Mas ela descobre que no fundo ele está triste. “Se você chora em silêncio, como vou saber que sente a minha falta?”, “Pediu pra não te procurar, pra sumir da sua vida”. Essa parte foi Antônio falando isso quando Marília o procurou. Mas ela insistiu e o procurou de novo pois ficou sabendo “que anda ouvindo minha voz, que sentiu meu cheiro nos lençóis, abraçado no seu travesseiro, a saudade apertando no peito”. Essa parte se complementa logo depois com a próxima música. No final, ela ainda fala “Por quê não me pede pra voltar?”. Mas a volta não vai ser necessariamente a volta de um namoro, mas sim o que veremos logo a seguir na próxima música.

13) Sentimento Louco

Essa música, junto com “Silêncio“, mostra que Antônio está com uma namorada, mas não está completamente feliz, buscando Mari em seus momentos de carência. E Mari solteira agora está aceitando ficar com ele nesses momentos. Também é revelado aqui que Mari está sendo amante de Antônio. E ela não quer perdê-lo. “E se isso for pecado, quem vai nos julgar? Quem nunca amou, nunca vai entender essa loucura que eu sinto por você. Só sei que é bom demais, é bom demais”, “Mas quando te vejo com ela, a minha mão gela…….Eu sei que tá com ela pra manter as aparências, mas nas suas horas de carência você vem me ver”. “Eu sei, tá com ela, mas amo você. Você e ela não tem nada a ver. Sou mais eu e você”. Este é um ponto crucial na teoria, pois é quando eles viram amantes e ela aceita que ele é o cara certo pra ela, apesar dele ter sido infiel.

14) O Que Falta Em Você Sou Eu

Aqui Mari começa a fazer a cabeça de Antônio para que ele acabe com sua atual e assuma ela como sua namorada de novo, pois ela o vê pouco como amante (provavelmente porque ele busca não dar brechas, e Infiel mostrou que ele parecia ser bom em esconder seus casos extra-conjugais). Ela começa a suspeitar se ele não tem uma segunda amante, checa tudo dele e vê que algo falta nele. O que falta nele é ela. “Já faz um mês que não te vejo. Trinta dias que eu acordo pensando em você”, “Não sei se você está bem, se está gostando de outro alguém”. “Nos traços do sorriso, deu pra perceber, o que será que tá faltando em você?”, “O que falta em você sou eu”. E ela então pede pra ser oficializada. “Falando em saudade, vem buscar logo a sua metade”.

15) Hoje Somos Só Metade

Vimos claramente que houve um tempo no qual Mari e Antônio ficaram muito tempo sem se ver. Bem, nesse meio tempo Mari não ficou parada. Bruno foi atrás dela de novo, mas isso acabou não indo longe. Nem sequer reataram o namoro, apenas tentaram voltar pra ver se dava certo, mas acabou não sendo bom. Foi uma última chance que Mari se deu para ver se realmente Antônio era o homem dela. “Não nos conhecemos mais. Não vejo em você a pessoa que eu amei demais. O que tava dando ceto agora deu errado. Não é que eu queira reviver nosso passado”, “Que pena que a nossa voz já se calou, e a cama que dormimos não tem mais calor”, “Fomos dois, viramos um. Hoje somos só metade”.

16) Entre Quatro Paredes

Mari começa a relembrar de seu passado com Antônio, e vê que o relacionamento deles é estranho, mas com laços extremamente fortes, e nenhum dos dois tentará acabar o que está rolando. “Já estamos conscientes que por mais que a gente tente, não dá certo, mas quem sabe o certo é assim”. “O que esse nosso amor tem de tão diferente, que prende a gente, ninguém abre mão”. E agora o trecho mais importante, que dispensa comentários: “e reatamos nossa ex-relação”. Bem, senti um pouco de pena da outra mulher que Antônio estava rsrs. Quem sabe ela não é a Maiara (ou Maraisa) cantando 10% “garçom, troca o DVD que essa moda me faz sofrer e o coração não guenta”. Mas aí é outra conversa.

17) Impasse

Essa música chega no momento onde Antônio se sente incomodado com o namoro dele com Mari. Mari percebe isso claramente e bota ele em xeque para saber o que está acontecendo. Então ela fala que pode ajeitar pro jeito dele. Ela realmente gosta muito dele (e ela se ajeita em deixar ele ter casos com outras as vezes, que é melhor explicado na última música). “Eu só queria entender seus pensamentos….e o que te faz fugir de mim”. “Senta aqui um pouco sem ter pressa, conte tudo, a hora é essa. Fala o que tem pra falar. Não é que eu tô querendo do meu jeito, eu me ajeito do seu jeito, basta a gente conversar”. Ela definitivamente está aceitando isso, e completa falando “Resolve esse impasse e assuma pra gente essa louca paixão. Me abraça e me beija que eu tomo conta de você”.

18) Como Faz Com Ela

Apesar de Mari aceitar as traições dele, não quer dizer que ela não vá ficar pirada. “vai se preparando que eu não vou ter paciência, se acha que eu não sei o que aprontou na minha ausência. Não vou deixar barato, não vou fingir que não vi”, “…ofereceu pra aquela moça sentar na sua mesa”. Mas no final das contas, ela só quer saber mesmo de uma coisa “Eu sei que tá querendo me levar na conversa, mas se vc soubesse o que realmente me interessa: é saber se você faz amor comigo como faz com ela”.

Bom, essa foi minha teoria sobre haver uma história por trás das músicas de Marília Mendonça. Obviamente isso não é oficial. Também não concordo com as atitudes de Mari, apenas construí as ideias em cima das letras da música, como um grande fã de Marília Mendonça. Se achou algum furo ou discorda completamente, podemos discutir nos comentários. Até a próxima e fui!

Comente!