em , ,

Crítica | Lidando com a Morte – A indústria funerária em pauta

O capitalismo tem muitas ramificações, e uma das mais lucrativas é a funerária. Neste documentário dirigido por Paul Rigter, presente na 45ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, entramos no mundo da religião como produto, e morte a moeda de troca.

Abordado ao longo de anos, Lidando com a Morte (Dood in de Bijlmer, 2020) tem a vantagem de ver o progresso de sua pesquisa se tornar respostas. O documentário segue Anita, gerente de uma empresa funerária que entrega velórios customizado para cada religião, sejam aqueles com danças na rua até o tradicional cristão, com velas e uma oração.

É complicado compreender o mecanismo de início, tendo em vista que não há mal algum em querer ofertar, por exemplo, um rito islâmico para alguém longe de sua terra natal. Mas tudo abre a perspectiva quando o foco documental se pende para a abertura de uma nova filial em Amsterdã. É nas entrelinhas que vemos a falta de sensibilidade e sentimentos. A conversa com empresas similares, tentando adquiri-las para o empreendimento, os muitos estudos de mercado para compreender quais ritos estão faltando nas unidades mais próximas. Realmente um foco em se tornar a empresa mais abrangente.

Rigter, em seu primeiro trabalho documental, tem um cuidado em representar e entrecortar os ritos, mostrando suas falhas e banalidades. Uma hora vemos um treino de Anita em aprender o velório Hare Krisna, para depois ensinar aos funcionários, e ali cada detalhe é tratado com frieza e sem a menor vontade de aprender. Assim, a própria funcionária começa a ter suas dúvidas sobre a qualidade do serviço que está oferecendo e Rigter capta essas dúvidas sem máscaras ou uso de música, livre de manipulações.

Ao final da jornada, o filme ecoa na mente. O mercado funerário, que tanto dependemos, gastamos dinheiro, e muitas vezes sequer damos atenção, devido ao momento delicado, não é nada diferente que um restaurante com pratos típicos no menu. Uma jornada curiosa.

Lidando com a Morte (Dood in de Bijlmer, Holanda – 2020)

Direção: Paul Rigter
Gênero: Documentário
Duração: 74 min

Acompanhe mais da nossa cobertura da 45ª Mostra Internacional de São Paulo

O que você achou desta publicação?

Publicado por Herbert Santos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

William Shatner, o Capitão Kirk, viaja ao espaço; saiba como foi

Crítica | Halloween Kills – Michael Myers vira Highlander